Leões defendem-se de multa "lamentável"

Leões defendem-se de multa "lamentável"

O Sporting emitiu um comunicado no qual defende que o presidente pode deslocar-se aos balneários no intervalo de um jogo.

Em comunicado, o Sporting reagiu à multa de 7140 euros aplicada pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), na sequência do jogo com o Moreirense. A decisão deveu-se à presença de sete pessoas não autorizadas no balneário durante o intervalo do encontro, entre eles o presidente Godinho Lopes

A SAD leonina considera a pena "lamentável". "De acordo com o Regulamento das Competições organizadas pela Liga, os presidentes dos clubes têm durante o jogo e no respetivo intervalo, livre acesso ao balneário da respetiva equipa onde podem permanecer sem qualquer restrição", defende o clube.

Eis o comunicado do Sporting

"O Sporting tomou ontem conhecimento dos castigos aplicados pelo Conselho de Disciplina relativos à 10.ª Jornada da Liga. Surpreendido com a decisão, foi solicitada, de imediato, cópia do relatório de jogo que só esta quarta-feira chegou ao seu conhecimento.

Dessa decisão, consta que o Sporting foi sancionado com a multa de euro 7.140,00 pela "entrada e permanência de pessoas não autorizadas" em zonas devidamente identificadas. De acordo com a notificação recebida, estão em causa 7 pessoas, sendo certo que o relatório de jogo identifica apenas o Presidente e 6 pessoas adicionais cuja identificação se desconhece.

De acordo com o Regulamento das Competições organizadas pela Liga, os presidentes dos clubes têm durante o jogo e no respetivo intervalo, livre acesso ao balneário da respetiva equipa onde podem permanecer sem qualquer restrição.

Durante o jogo em causa, não foi solicitado a nenhum agente desportivo devidamente credenciado e/ou autorizado a permanecer nas zonas identificadas, qualquer reconhecimento. Mais do que referir o número de pessoas alegadamente em causa, cabe à Liga Portuguesa de Futebol Profissional identificar com clareza o nome das pessoas, para que o Sporting possa certificar se as mesmas estavam, ou não, credenciadas ou, no limite, se são efetivamente pessoas ligadas ao Clube.

O Sporting defenderá de forma intransigente os seus interesses e não deixará de contestar adequadamente esta decisão concreta. Saberá o Sporting, para além do mais, retirar desta lamentável decisão as consequências que forem consideradas, em cada momento, adequadas e/ou convenientes. Em sede própria o Sporting apresentará argumentos que sustentem esta sua posição".