Eliminar o Plzen dá bónus de 200 mil euros, vencer Liga Europa vale milhões

Eliminar o Plzen dá bónus de 200 mil euros, vencer Liga Europa vale milhões
Rui Miguel Gomes

Tópicos

Documento que norteia os prémios coletivos é elaborado depois de uma negociação entre a administração da SAD, os capitães de equipa, Rui Patrício e William, e o técnico Jorge Jesus.

Se o Sporting vencer a Liga Europa, o plantel comandado por Jorge Jesus terá direito a um prémio na ordem dos dois milhões de euros. Segundo O JOGO apurou, esse é o montante a dividir por jogadores, equipa técnica, pessoal de apoio e inclusive dirigentes que estejam diretamente ligados à administração da SAD e do futebol profissional. O dinheiro começará a cair precisamente caso seja confirmada amanhã a eliminação do Viktoria Plzen. É que a primeira fatia, próxima dos 200 mil euros, é o que está estabelecido como compensação caso a equipa atinja os quartos de final da Liga Europa. Daí em diante, será sempre a somar, à medida que sejam ultrapassadas as restantes eliminatórias até à final, mas a verdade é que a maior fatia dos prémios está naturalmente reservada para um Sporting vencedor.

Os valores, como habitualmente tem acontecido, são definidos após negociação entre a administração da SAD, equipa técnica e os capitães de equipa, Rui Patrício e William Carvalho, no início de cada época, ficando tudo devidamente estipulado no protocolo de prémios, concretamente em termos de repartição e estratificação dos mesmos, mas também contemplando uma regra essencial: os jogadores ou elementos da estrutura técnica que tenham previstos nos seus contratos contrapartidas decorrentes de objetivos coletivos só terão direito a receber um dos dois prémios.

Neste contexto, também está claro entre as partes que os prémios serão distribuídos igualmente pelos jogadores que tenham chegado a meio da temporada - neste caso, estão contemplados os casos de Lumor, Misic, Montero, Wendel ou Rúben Ribeiro -, mesmo não estando inscritos nas provas europeias, mas também por aqueles que saíram, como por exemplo Jonathan Silva, Tobias Figueiredo, Alan Ruiz, Iuri Medeiros ou Mattheus Oliveira. Contudo, em qualquer dos casos, entre os que entraram e saíram a meio do percurso, as verbas remuneratórias serão sempre calculadas pela metade da época, em função da divisão que for efetuada por parte dos serviços contabilísticos da sociedade que gere o futebol profissional, mediante o seguimento do acordado entre as três partes envolvidas: administração, jogadores e equipa técnica.