"Divulgação da auditoria foi ato traiçoeiro", diz Rogério Alves

"Divulgação da auditoria foi ato traiçoeiro", diz Rogério Alves

Presidente da Mesa da Assembleia Geral do Sporting, Rogério Alves, condena a publicação e garante que é uma auditoria de gestão e não forense

Rogério Alves, presidente da Mesa da Assembleia Geral do Sporting, lamentou, em entrevista à Sporting TV, a divulgação do relatório da auditoria à gestão de Bruno Carvalho, assegurando que "não se trata de uma auditoria forense, mas sim de gestão". "Foi pedida pela Comissão de Gestão, não sei com que motivações, mas imagino que fosse para ver atos de gestão. Não sou adepto de fazer auditorias sempre que uma Direção sai", juntou.

Segundo o advogado, dirigente dos órgãos sociais do Sporting, tratou-se de um ato de traição: "Foi mau para o clube ser objeto de uma fuga de informação. É muito prejudicial para o Sporting e SAD. É evidente que não é bom verem espalhadas informações confidenciais. Obviamente que a Direção não queria. Foi algo traiçoeiro, é uma violação de estatutos, mas não sabemos quem foi. Não faz nenhum sentido imputar à Direção a fuga. Pode vir de vários lados... A Direção seria a última entidade interessada pois debilita o seu poder negocial. A divulgação foi feita e a nossa preocupação é minorar os estragos. Não podemos ficar esfregar na ferida, a lamuriar, a culpar a Direção. Há quem tenha ficado feliz por esta Direção ter tido um problema... Os estatutos dizem que devemos trabalhar na coesão interna e no apoio aos órgãos sociais".

O dirigente leonino insistiu no encaminhamento dos casos polémicos que a auditoria levantou para sede própria. "Há quatro ou cinco temas que causam perplexidade: o que recomendo é que se investigue, colocando-se os temas no Ministério Público, na Polícia Judiciária ou no Conselho Fiscal e Disciplinar. Não passemos é a vida a falar desses temas. Que se detalhem as dúvidas para quem tem a competência e os meios para o fazer. Se não houve fraude fiscal, é ótimo! Não podemos ficar contentes se houver porque não gostamos da ex-Direção... Respeito e aceito que se defendam", concluiu.