Bruno e Jesus em rutura total. O resumo de um dia quente em Alvalade

Bruno e Jesus em rutura total. O resumo de um dia quente em Alvalade
Bruno Fernandes/Duarte Tornesi/Filipe Alexandre Dias/Rui Miguel Gomes

Tópicos

Presidente e técnico trocaram palavras azedas em reunião de emergência. Clima é tóxico e a porta de saída abre-se.

Definitivamente..., talvez. Bruno de Carvalho e Jorge Jesus estão mais separados do que nunca e o técnico encontra-se sem clima para continuar ao comando da equipa verde e branca a menos de uma semana de discutir a Taça de Portugal no Jamor, mas não é ainda claro como e quando deixará o cargo que ocupa desde o verão de 2015, segundo apurou O JOGO. Convocado ontem para uma reunião com o Conselho de Administração da Sporting, SAD, a par de outros departamentos, o treinador esgrimiu argumentos com o presidente, a conversa foi agreste e Jesus deixou mesmo Alvalade convencido da suspensão de funções, algo desmentido depois pelo responsável máximo dos verdes e brancos. Contudo, a rutura é total.

Após semanas de uma tensão que colheu o próprio plantel e consumado a eliminação dos leões da Champions, Bruno passou a estudar cenários que legitimassem o afastamento de Jesus, entendendo que o investimento no técnico não mais se justifica. Chamou o treinador, acusou-o de falta de lealdade e exigiu-lhe assunção de responsabilidades. Jesus reagiu, eximiu-se de culpas pelos maus resultados e apontou o presidente como desestabilizador. Bruno exaltou-se e soltou que o treinador estava suspenso. Jesus avistou-se depois com o seu círculo mais restrito, no Hotel Ritz, em Lisboa, aconselhando-se.

Antes, à saída de Alvalade, Bruno de Carvalho negou a suspensão. "Qual processo disciplinar a Jorge Jesus?... O Sporting tem de trabalhar, além dos jogos a fazer. Todos vimos um jogo [frente ao Marítimo] que prejudicou o Sporting e o fez perder bastantes milhões que estavam contabilizados para a próxima época. Se o Bruno suspendeu o Jesus, esperem pelo Bruno, porque o presidente não o suspendeu", declarou. Mais tarde, à Sporting TV, reforçou: "Jesus continua a ser o treinador. A derrota no Funchal foi um rude golpe financeiro que me obriga a tomar decisões."