"Há sempre algo surpreendente que não nos deixa aproximar da liderança"

"Há sempre algo surpreendente que não nos deixa aproximar da liderança"
Redação com Lusa

Tópicos

O Sporting, segundo classificado, com 73 pontos, seis abaixo do líder isolado FC Porto, recebe o Benfica, terceiro, com 64, no domingo de Páscoa, às 20h30, no Estádio José Alvalade, em Lisboa, num duelo arbitrado por Fábio Veríssimo, da associação de Leiria.

O campeão nacional Sporting tem progredido "na mesma linha e com mais opções" em relação a 2020/21, enaltece o ex-futebolista Carlos Xavier, confiante numa vitória diante do Benfica, no domingo, no dérbi da 30.ª jornada da I Liga.

"É uma altura crucial, na qual o Sporting depende de si mesmo e de outros, mas tem de fazer o seu trabalho e ganhar os cinco jogos finais. Vamos ver se ainda chega. As coisas estão difíceis. Por um lado, consegue-se vitórias com tranquilidade e mestria. Só que há sempre algo surpreendente que surge a cada encontro e não nos deixa aproximar da liderança", considerou à agência Lusa o ex-médio dos "leões" (1980/1991 e 1994/1996).

O Sporting, segundo classificado, com 73 pontos, seis abaixo do líder isolado FC Porto, recebe o Benfica, terceiro, com 64, no domingo de Páscoa, às 20h30, no Estádio José Alvalade, em Lisboa, num duelo arbitrado por Fábio Veríssimo, da associação de Leiria.

"Infelizmente, houve dois resultados que não estavam nos planos [derrotas com Santa Clara e Braga], mas acontecem. Do outro lado, está uma equipa consistente [FC Porto], que tem tudo para vencer o título e alguma facilidade a nível de arbitragens. Prevejo uma missão difícil, mas o Sporting está a fazer uma época excecional", avaliou.

Vencedores da Supertaça e da Taça da Liga, os "leões" chegaram pela segunda vez na sua história aos oitavos de final da Liga dos Campeões - sendo afastados pelos ingleses do Manchester City (goleada por 0-5 em casa e empate 0-0 fora) - e irão encarar em desvantagem (1-2 em Alvalade) a segunda mão das "meias" da Taça de Portugal perante o FC Porto.

"Não diria que [um desaire do Sporting com o Benfica] arrumaria de vez, mas complicava as contas [da luta pela liderança do campeonato]. Sabemos que ainda há jogos difíceis nos dois lados e o FC Porto também tem de ir a Braga e à Luz. Se for com honestidade e os árbitros apitarem conforme as leis, acredito que ainda há uma possibilidade", reiterou.

Carlos Xavier, de 60 anos, justifica com "consistência de jogo, regularidade e crença" as duas vitórias do Sporting sobre o Benfica esta temporada, na 13.ª ronda da I Liga (3-1) e na final da Taça da Liga (2-1), ambas assentes na firmeza do "3-4-3" de Rúben Amorim.

"Os atletas cada vez assimilam mais esse sistema e a equipa está confiante e com uma vertente psicológica muito forte. O Sporting sabe que o Benfica teve um jogo difícil [no empate 3-3 em Liverpool, na quarta-feira, para a Liga dos Campeões], correu muito e é capaz de vir com algum desgaste para Alvalade, mas nada tem a ver com isso", admitiu.

Antevendo uma "luta no meio-campo fundamental" para desequilibrar o dérbi lisboeta, o ex-internacional português, que se sagrou campeão nacional pelo clube de Alvalade em 1981/82, nota esse setor a "transpirar muito futebol" na atual formação "verde e branca".

Entre as "baixas" constam o marroquino Zouhair Feddal, lesionado, e o brasileiro Matheus Reis, castigado, com Carlos Xavier a considerar mesmo que o ala esquerdino, que atua muitas vezes no trio de defesas centrais, "tem sido a unidade mais regular" do Sporting.

"É importante na manobra defensiva e atacante, pelo que não convinha estar de fora do jogo. Até aqui há coisas que se fazem com uma ligeireza fantástica, mas estamos habituados. Jogue quem jogar, a equipa rende sempre e exibe um nível muito alto", frisou o vencedor de duas Taças de Portugal (1981/82 e 1994/95) e três Supertaças (1982, 1987 e 1995).

No onze provável do ex-centrocampista cabem Luís Neto como central canhoto e Nuno Santos sob o flanco esquerdo, bem como o avançado espanhol Pablo Sarabia, jogador mais influente em 2021/22, ao contabilizar 17 tentos e oito assistências em 39 partidas.

"Vinha rotulado de craque e confirmou-se que é um grande jogador. Veio para a melhor equipa que poderia escolher, de forma a relançar a sua carreira, pois estava um pouco tapado no Paris Saint-Germain. Está a fazer uma época excecional e veio trazer muitas coisas positivas. É um jogador que faz a diferença em momentos especiais", enalteceu.

Pablo Sarabia foi ladeado por Pedro Gonçalves e o inglês Marcus Edwards numa frente de ataque móvel no triunfo em Tondela (3-1), do qual ficou de fora Islam Slimani, após ter abandonado mais cedo o último treino antes desse jogo, devido à falta de compromisso.

"É um balneário onde não há ovelhas negras nem bodes expiatórios e o treinador sabe geri-lo bem. Até foi bom para o jogador. Deu-lhe descanso após a derrota da Argélia no "play-off" de qualificação para o Mundial'2022. A cabeça dele não estava muito fresca e, assim, até aproveitou uma semaninha para limpá-la. Agora, vem dar uma força para o dérbi", concluiu Carlos Xavier, confiante na titularidade conjunta de Slimani e Paulinho.