Cortar dois milhões em salários

As rescisões contratuais vão afetar sobretudo os funcionários do clube, mas é na SAD que figuram os elementos com vencimentos mais elevados, mesmo não contando com os ordenados dos jogadores profissionais.

A reestruturação de recursos humanos que está a ser levada a cabo pelo presidente do Conselho Diretivo, Bruno de Carvalho, e a sua equipa dirigente, visa, sabe O JOGO, reduzir em cerca de 2 milhões de euros anuais a massa salarial entre SAD e clube. Com efeito, encetados os primeiros contactos com alguns funcionários, casos dos nomes noticiados oportunamente - Manuel Fernandes, Luís Vidigal, Hugo Porfírio, Jean-Paul, Diogo Matos, Pedro Cunha Ferreira, Pedro Sousa, Maurício do Vale, Mário Patrício, Mário Casquilho e José Diogo Salema -, Bruno de Carvalho irá manter conversas individuais com mais colaboradores do clube e da SAD nos próximos dias, sendo que as rescisões contratuais vão incidir sobretudo no clube, já que, mesmo não contando com os jogadores profissionais, a SAD tem funcionários melhor remunerados.

Ler artigo completo na edição e-paper, jornal do dia e impressa