Claque do Sporting reage à ida de João Mário para o Benfica: "Zero ídolos"

Claque do Sporting reage à ida de João Mário para o Benfica: "Zero ídolos"

Grupo de adeptos leoninos considera "desnecessária" a participação "em ações hostis" contra um agora ex-profissional de futebol do clube de Alvalade.

A 'Torcida Verde', uma das claques do Sporting, recusou hostilidade pela ida de João Mário, que na época passada se sagrou campeão nacional pelo clube de Alvalade, para o arquirrival Benfica, transferência a custo zero que ficou consumada nesta terça-feira.

Num extenso comunicado intitulado "Zero ídolos, hoje e sempre!", publicado no Instagram, esse mesmo grupo de adeptos leoninos considera "desnecessária" a participação "em ações hostis" contra um agora ex-profissional de futebol do clube de Alvalade.

"Será pedir-nos o impossível. (...) É algo desnecessário, considerando o exorbitante número de futebolistas que trocam o SCP por melhores condições monetárias", justifica a 'Torcida Verde', ao lado de um vídeo em que recordam as mudanças, por exemplo, de Futre, Caneira e Simão Sabrosa.

A claque leonina nota que "a transformação do futebol num negócio (...) modificou a relação entre os adeptos e os futebolistas", pelo que não "promove futebolistas à condição de ídolos", refutando, ainda assim, "qualquer antagonismo ou hostilidade", já que João Mário é visto como "um profissional de futebol".

A 'Torcida Verde' pede, no mesmo comunicado publicado esta terça-feira, que os "verdadeiros" adeptos da equipa do Sporting "despendam as suas energias no exclusivo apoio ao clube" que se sagrou vencedor da última edição da I Liga.

Leia o comunicado da claque do Sporting na íntegra.

"ZERO IDOLOS, hoje e sempre!

A Torcida Verde desde há muito tomou posição no que diz respeito ao relacionamento com os futebolistas profissionais.

A transformação do futebol num negócio, no qual os futebolistas são 'activos' sempre no mercado, modificou a relação entre os adeptos e os futebolistas.

Nos anos 80, década da fundação da Torcida Verde, a mudança para um rival, de um futebolista com "raízes "no nosso clube era episódica, provocando consternação e revolta na nação verde e branca.

Nesse sentido as saídas de Inácio e Futre para o rival do norte colocaram os adeptos em grande alvoroço.

Nos anos 90, os episódios foram-se sucedendo, assim como as crescentes desilusões.

Na Torcida Verde sentimos que vivíamos um novo paradigma no qual o relacionamento com os futebolistas teria de se situar no estrito campo do respeito com profissionais 'de passagemelo nosso grande SCP.

A idolatria era coisa do passado, cujos derradeiros intérpretes talvez tenham sido atletas como os capitães Carlos Xavier, Marco Aurélio e Oceano Cruz.

(...)

O facto de não promovermos os futebolistas à condição de 'ídolos' jamais significou qualquer antagonismo ou hostilidade.

Ao contrário, a Torcida Verde, em algum momento participou em acções formais ou informais hostis contra quaisquer profissionais do SCP.

Será pedir-nos o impossível que participemos no circo idólatra que, fatalmente, alimenta agentes de futebol, comissionistas... e sobretudo provoca incomensuráveis desilusões nos adeptos.

Algo desnecessário, considerando o exorbitante número de futebolistas e outros atletas que trocam o SCP por melhores condições monetárias.

O caso mais recente envolve João Mário.

Que seja um episódio que, definitivamente, concorra para que os VERDADEIROS adeptos do grande SCP despendam as suas energias no exclusivo apoio ao clube.

E basta! João Mário é um...profissional de futebol."