Bruno Fernandes revela palestra na final da Taça contra FC Porto: "Imaginem o que é..."

Bruno Fernandes revela palestra na final da Taça contra FC Porto: "Imaginem o que é..."

Ex-capitão dos leões em entrevista à Sporting TV.

O que guarda da Taça de Portugal? "Ficará sempre muito marcado na minha memória. Toda a gente sabe, sempre disse e sempre expressei o sentimento e aquilo que foi, para mim, a Taça de Portugal, poder vencê-la, subir aquelas escadas como capitão. De maneira diferente do ano anterior receber todo o carinho... No ano anterior, recebi muito carinho, mas vi muitas pessoas tristes, muita gente a chorar comigo, familiares meus a chorar comigo. Será para sempre uma das maiores conquistas da minha vida."

Valoriza mais agora, em tempos de pandemia? "Não valorizo mais, porque depois do nascimento da minha filha foi um dos dias mais importantes da minha vida. Mas é claro que, olhando para o que vivemos... Há estádios vazios - ainda agora vemos na Alemanha... -, por isso acho que será uma injeção muito importante para as pessoas verem futebol."

Festa da Taça de Portugal: "A festa da Taça tem um sabor especial, por tudo o que está à volta. As pessoas com as barracas, a cerveja, o leitão e o porco - o que tiver de ser. É incrível. Vivia dentro de campo e fiz viver à minha mulher, aos meus pais, aos meus irmãos, aos meus primos..."

Mensagem no balneário contra o FC Porto: "Disse: 'Vocês imaginem o que é vir para aqui às 9h00 da manhã, comer, beber e depois voltar para casa tristes e zangados? Temos a obrigação de acabar a época com mais uma conquista'. Toda a gente entendeu a importância do percurso da Taça, o quão importante era estar unido. O campeonato infelizmente ficou longe, mas por mais que se diga que a Taça da Liga não conta, a verdade é que a conquistámos contra grandes equipas".

Aspeto importante nesse ano: "Ter jogadores de balneário. O Petrovic e o André Pinto jogaram de nariz partido... Saliento os colegas que tive e o nosso espírito de grupo, espetacular. Desde o míster Peseiro ao míster Keizer. União super forte."

Meia-final com o Benfica: "Uma das coisas que sempre disse e que vou continuar a dizer, independentemente de tudo o que se passou, é que o ambiente de Alvalade é dos melhores que já vivi. Já passei por clubes calorosos em Itália e estou em Inglaterra, cuja realidade é diferente da portuguesa por não existirem claques. A atmosfera que os adeptos criam em Alvalade é incrível. Tivemos isso em alguns jogos, não em todos. Mas sabemos que um dérbi é sempre mais caloroso. Sempre que vejo imagens desse jogo fico emocionado e arrepiado. Para mim foi das melhores sensações que vivi no Sporting. Não por ser um golo contra o Benfica, mas pela possibilidade de irmos à final. Foi das melhores noites que vivi em Alvalade".

Jogar em Alvalade: "Quando fomos à Luz saímos derrotados por 2-1. Após o meu golo, a primeira coisa que dissemos quando nos abraçámos foi que eles tinham de jogar connosco em Alvalade. Isso é muito mais que jogar contra o Bruno, o Coates, o Mathieu e o Wendel. Por mais que os rivais digam que o estádio deles é melhor, o ambiente que se vive em Alvalade é verdadeiramente um dos melhores, sobretudo quando os sportinguistas comparecem em massa. É difícil para os adversários jogar lá e tínhamos a certeza que os adeptos iam criar esse ambiente. Depois do turbilhão de emoções chegámos ao balneário, olhámos uns para os outros e dissemos que íamos à final para ganhar. A partir daí, o nosso foco foi preparar-nos para jogar a final da Taça de Portugal. Sabíamos que ia ser uma batalha, fosse contra o FC Porto ou o Braga".