Bas Dost não abdica dos três milhões de euros limpos e só quer a elite europeia

Bas Dost não abdica dos três milhões de euros limpos e só quer a elite europeia
Bruno Fernandes / Rui Miguel Gomes

Tópicos

Sporting pretende encontrar uma solução para o avançado, contudo tem pela frente um a missão espinhosa por força das diversas condicionantes existentes em torno de uma negociação.

O desejo da SAD liderada por Frederico Varandas de transferir Bas Dost não se afigura de fácil concretização, na medida em que o goleador holandês só está disponível para deixar o Sporting se for para os principais emblemas dos campeonatos mais competitivos a nível europeu.

E aí enquadram-se as ligas espanhola, inglesa, italiana, alemã e francesa, excluindo emblemas de segunda linha, onde, por exemplo, em Espanha ou Inglaterra, se enquadram, um Sevilha ou Newcastle.

Tudo porque Bas Dost, de acordo com informações recolhidas pelo nosso jornal, entende que está bem no Sporting e em Portugal, sente-se acarinhado, em segurança - pese os acontecimentos de 2018 na Academia, em Alcochete -, gosta do clima, tal como a família, e, sobretudo, tem um vencimento que é difícil de igualar nesta fase da carreira.

É que os três milhões de euros por temporada livres de impostos, decorrentes do contrato firmado no ano passado quando regressou ao Sporting depois da rescisão do vínculo alegando justa causa, que receberá até 2021 configuram, por um lado, um valor assinalável e atrativo para o atleta de 30 anos, por outro são um fator de constrangimento para aquela que é a política salarial que o presidente leonino, Frederico Varandas, pretende implementar.

Com o desejo de reduzir consideravelmente os honorários de Bas Dost, o dirigente máximo da formação verde e branca está disponível para o negociar, aceitando no mínimo os cerca de 12 milhões de euros pagos em 2016 aos alemães do Wolfsburgo.

O Sevilha, por exemplo, já apresentou oito milhões de euros, mas Bas Dost nem considerou a oferta, devido à recusa do Sporting em transferi-lo por esse montante. O holandês só aceita a elite.