Ataque à Academia: operacionais da GNR ouvidos e requerimento apreciado

Ataque à Academia: operacionais da GNR ouvidos e requerimento apreciado

Terceira sessão do caso Alcochete vai continuar a ouvir os GNR que estiveram no centro de treinos.

Prossegue esta quinta-feira, no Tribunal de Monsanto, o julgamento ao ataque de 15 de maio de 2018 à Academia Sporting: a terceira sessão, liderada pela juíza Sílvia Pires, vai servir para continuar a ouvir os operacionais da Guarda Nacional Republicana que na fatídica tarde se deslocaram ao centro de treinos dos leões.

Na terça-feira, Tiago Mateus, André Medinas e Márcio Alves foram os primeiros a serem questionados pelos advogados, num período que deveria ter assegurado os testemunhos de outros três elementos, muito provavelmente hoje a depor em tribunal.

Requerimento apreciado

Sílvia Pires deve esclarecer também nesta sessão se vai aceitar ou não o requerimento apresentado por Miguel Matias, advogado de um dos arguidos, que, invocando incongruências entre o discurso de um dos operacionais, Márcio Alves, e efetivamente o que este escreveu no depoimento, pediu a nulidade do documento. Esta foi uma tentativa de "desmontar" a acusação.

Tal como aconteceu no segundo dia de trabalhos, a maioria dos arguidos não se deve apresentar: muitos, tal como Bruno de Carvalho, foram dispensados de algumas sessões alegando motivos de ordem profissional.