Um clube na frente da corrida por Max: saiba qual a fasquia estabelecida pelo Sporting

Max deve mesmo deixar o Sporting neste defeso

 foto Pedro Rocha / Global Imagens

Italianos estão à espera de vender Musso para atacarem o guardião luso. Sampdória também o mantém debaixo de olho

A saída de Luís Maximiano do Sporting no presente defeso é uma questão de tempo e a Udinese é o emblema que, segundo O JOGO apurou, está pronto a avançar pela contratação daquele que tem sido o habitual suplente de Antonio Adán.

De acordo com informações recolhidas pelo nosso jornal, o emblema de Udine está à espera de transferir do seu guardião titular, o argentino Juan Musso, para, então, avançar para uma negociação com os verdes e brancos, sabendo já quais as condições de um eventual acordo.

Para já, Musso está envolvido nos compromissos da seleção da Argentina, que vai competir na Copa América, isto enquanto a Atalanta é um dos emblemas que o quer adquirir, mas a Udinese sabe que poderá contratar o internacional sub-21 português por cinco a seis milhões de euros, ainda que uma componente por objetivos possa ser adicionada ao montante para ir de encontro a uma valorização excessiva por parte do Sporting de um atleta formado no clube, que chegou a ser o dono das redes antes da chegada de Adán, mas que na derradeira temporada realizou apenas 426 minutos, em cinco jogos.

É certo que o técnico Rúben Amorim pretende contar com o camisola 12 no plantel, o próprio presidente Frederico Varandas entende que Luís Maximiano é um valor com capacidade para se afirmar na defesa das redes verde e brancas, mas aquelas que são as perspetivas de carreira do próprio atleta em termos de utilização vão contra este entendimento. É que, em Alvalade, Adán continuará na próxima temporada a ser a primeira opção, inclusive o seu contrato será prolongado, o que coloca em causa o desejo de evolução e competição que o atleta de 22 anos tem para o seu futuro mais próximo.

Diga-se que, além da Udinese, também a Sampdória está a seguir com particular atenção o jogador - por quem chegou a apresentar no início da última temporada uma proposta de empréstimo com opção de compra obrigatória em função de um determinado número de jogos, a qual foi recusada -, que, nos últimos dias, foi mesmo apontado como estando na mira do recém-promovido Maiorca. Luís Maximiano, recorde-se, tem contrato em vigor até 2025 e uma cláusula de rescisão de 45 milhões de euros.