Palhinha é negócio fechado: viagem marcada e exames médicos a seguir

Palhinha, internacional português, prossegue a carreira em Inglaterra

 foto AFP

Médio viaja para Londres, onde vai cumprir as formalidades habituais e assinar pelo Fulham. Os londrinos pagam 20 milhões de euros.

João Palhinha, ao que O JOGO apurou, está de malas aviadas para Inglaterra e fará este sábado exames médicos no Fulham. O jogador aguardava luz verde dos seus representantes face aos diferendos contratuais que existiam, mas a situação terá sido agilizada de modo a que o médio assine pelos londrinos, num vínculo que deverá ser de quatro anos.

O jogador que celebra 27 anos na próxima semana, e que tem estado a exercitar-se no Sacavenense, clube de formação, somará a sua primeira experiência internacional. Está motivado para jogar na Premier League, de modo a recuperar a titularidade na Seleção Nacional, e terá sido fundamental o apreço que o técnico Marco Silva manifestou. O Fulham percebeu que o negócio do Sporting com o Wolverhampton não avançava e atingiu a fasquia exigida pelos leões, pagando 20 milhões de euros, que poderão encaixar alguma verba por objetivos.

Com a entrada destes 20 milhões de euros, o Sporting atingirá os 257 milhões de euros com vendas para Inglaterra desde o início do século XXI, amealhando essa receita com a transferência de 18 ativos, já incluindo Palhinha. O mais caro foi Bruno Fernandes (Man. United), rendendo 63 milhões de euros. Slimani ficou por 30 milhões no Leicester, Adrien por 20 no mesmo clube, já depois de Nani, em 2007, sair para Old Trafford por 25,5 M€. Rui Patrício foi para o Wolverhampton por 18 M€, enquanto Rojo rendeu 16 M€ ao ser recrutado pelo United. O clube de Manchester contratou ainda Ronaldo por 15 milhões e o Newcastle investiu 12,5 por Hugo Viana e o Norwich 10 M€ em Van Wolfswinkel. Matheus Pereira (West Brom), Ilori (Liverpool), Cédric (Southampton) e Dier (Tottenham) saíram por verbas compreendidas entre os 10 e os 5 M€. Schelotto (Brighton), Zeegelaar (Watford), Tobias Figueiredo (Nottingham Forest), Sarr (Charlton) renderam menos de 4 milhões cada.