Acuña bateu-se com Luis Suárez e derrapou. Mas saiu defendido

Acuña bateu-se com Luis Suárez e derrapou. Mas saiu defendido
Filipe Alexandre Dias / Rafael Toucedo

Tópicos

O reforço leonino estreou-se a titular pela Argentina em jogos oficiais, mas o selecionador colocou-o de "pé trocado" para aproveitar a sua intensidade e fazer de falso lateral

Acuña chegou neste defeso a Alvalade a troco de 9,6 milhões de euros e Jorge Jesus já elogiou a sua polivalência, dedicação e intensidade em campo, aspetos que foram decisivos para o selecionador da Argentina, Jorge Sampaoli, o ter colocado a titular no flanco direito no desafio da madrugada de ontem, contra o Uruguai (0-0). Com provas dadas como extremo-esquerdo, Acuña não se sentiu à vontade na posição, "derrapou" exibicionalmente e saiu aos 60", mas Sampaoli saiu em sua defesa, mostrando-se agradado com a opção tomada.

Acuña cumpriu sem convencer e tem nova chance de se mostrar no desafio de receção à congénere da Venezuela (quarta-feira, pelas 00h30 de Portugal). No entanto, a participação nesse encontro e a antecipação da jornada com o Feirense para sexta-feira (ler peça ao lado) complicam a sua utilização pelos leões.

"Em espaços tão reduzidos, a tarefa de Acuña complicou-se. Foi muito intenso e não jogou no seu melhor lado, mas no Racing tinha cumprido nessa posição", começou por dizer Sampaoli após o embate referido, destacando a postura defensiva uruguaia, cuja equipa atuou em 5x4x1. "Decidi-me por Acuña porque, com ele, fizemos uma linha de quatro atrás. Ia ser-nos útil com dupla função. Fiquei satisfeito com o seu rendimento", prosseguiu. A Imprensa argentina referiu que Sampaoli "expôs e condicionou" Acuña ao colocá-lo na direita, destacando o seu "carácter" e "esforço na recuperação defensiva".

Uma combinação com Di María que terminou com um disparo do leão por cima da baliza foi a ação ofensiva mais relevante e, defensivamente, destacou-se a marcar nos cantos a estrela uruguaia, Luis Suárez.