A estratégia de Varandas para financiar a abordagem do Sporting ao mercado

A estratégia de Varandas para financiar a abordagem do Sporting ao mercado
Duarte Tornesi/Mário Duarte/Rafael Toucedo

Tópicos

Chegada a altura de começar a tomar decisões no que concerne à construção do plantel 2019/20, leões têm uma prioridade.

A pouco mais de duas semanas do arranque dos trabalhos na Academia, marcado para o próximo dia 27, Frederico Varandas, Hugo Viana e restante estrutura do futebol leonino chegam a uma nova etapa no processo de definição do plantel com que Marcel Keizer vai competir em 2019/20.

Chegado o momento de começar a tomar decisões, os dirigentes leoninos deparam-se com a necessidade de estabelecer prioridades e, ao que foi possível apurar, estas já estão definidas em Alvalade: vender antes de comprar.

Nesse sentido, O JOGO pode adiantar qual o plano de Frederico Varandas para financiar a abordagem dos leões ao mercado de transferências e quais as expectativas do presidente leonino nesta operação preliminar: em suma, conta dotar os cofres da SAD com um encaixe extraordinário de 90 M€ com as transferências de Bruno Fernandes e Acuña.

O capitão dos leões tem visto sucederem-se os pretendentes pela sua contratação, sendo associado a emblemas como Manchester City - que recuou perante a recusa de Varandas face à proposta de 55 M€ mais dois jogadores -, Manchester United, Tottenham, Inter de Milão, Atlético de Madrid ou Liverpool, mas é a intransigente posição mantida perante a abordagem dos citizens que evidencia a fasquia colocada pelo presidente leonino pelo médio goleador: 70 milhões de euros.

Já Acuña não tem sido tão badalado no que a potenciais interessados diz respeito, mas conta com a janela de valorização da Copa América, que disputa pela Argentina (ver texto em cima). Pelo canhoto, Varandas conta poder encaixar uma verba próxima ao que pedia em janeiro: 20 M€.