Premium Daniel Ramos: o Santa Clara, a falta de paciência e um grande no horizonte

Daniel Ramos: o Santa Clara, a falta de paciência e um grande no horizonte
Carlos Pereira Santos

Tópicos

ENTREVISTA, PARTE II - Açores é a repetição de um destino na vida de Daniel Ramos. O clube cresceu, o treinador também e a empatia faz o resto... A ideia é consolidar o Santa Clara como clube de I Liga e fazer ainda melhor

Na época de 2016/17, Daniel Ramos esteve meia época no Santa Clara, na II Liga. Os bons resultados levaram a um convite do Marítimo, da I Liga.

Deixou uma excelente imagem no Santa Clara e só lá esteve meia época...
-A minha passagem pelo Santa Clara foi excecional. Fiz sete vitórias e um empate no tempo em que lá estive. Saí depois para o Marítimo, para a I Liga, foi uma oportunidade que surgiu, mas ficou a saudade porque houve uma grande empatia com as pessoas do Santa Clara, as relações humanas eram excelentes, são excelentes, ganhei muitos amigos lá dentro. O presidente Rui Cordeiro e o Diogo Alma [diretor desportivo] são os principais responsáveis pelo meu regresso ao Santa Clara. Ficou sempre a sensação de que um dia iríamos voltar a trabalhar juntos. Houve o convite e não podia dizer que não.