Um avançado de regresso como novo depois de um autêntico calvário

Um avançado de regresso como novo depois de um autêntico calvário
André Veloso Gomes

Tópicos

Ronan pode finalmente relançar a sua carreira na parte final desta temporada, a fim de conseguir estabilizar o seu rendimento pelos vila-condenses.

Autor do golo da vitória sobre o Nacional da Madeira por 1-0, triunfo que garante ao Rio Ave uma maior tranquilidade na parte final do campeonato em relação à luta pela permanência na I Liga, Ronan confirmou o bom momento atual após um longo calvário de lesões que têm impedido a sua afirmação.

Contratado à Sanjoanense na época 2015/16, na qual ainda fez dois jogos pelos vila-condenses, o avançado brasileiro não conseguiu afirmar-se na temporada seguinte, sofrendo uma lesão depois de ter apontado dois golos em 14 encontros. Em 2017/18, o jogador de 23 anos foi emprestado ao Varzim, mas lesionou-se novamente com alguma gravidade e apenas alinhou em duas partidas pelos poveiros, passando a maior parte da época em recuperação. Ronan não desistiu e apostou no relançamento da carreira na atual temporada, mas foi sujeito a uma cirurgia para corrigir um problema na anca e voltou a estagnar, conseguindo agora regressar em pleno à competição.

Depois de ter realizado cinco jogos e de ter marcado dois golos pela equipa de sub-23, o ponta de lança começou a ganhar o seu espaço no conjunto de Vila do Conde, foi suplente utilizado frente a Boavista e Sporting de Braga e estreou-se como titular na partida com o Chaves, mostrando um bom nível competitivo e recebendo elogios do técnico Daniel Ramos. O treinador mudou o sistema tático de 4x4x2 para 4x3x3 no duelo com o Nacional da Madeira e apostou em Ronan como titular no eixo do ataque, deixando de fora Bruno Moreira, decisão que se revelou acertada, em função de o brasileiro ter sido decisivo. "Cicatrizes são marcas de superação que só um verdadeiro guerreiro possui. Dois anos depois de muita luta, oração, alegria e gratidão", escreveu recentemente Ronan nas redes sociais, numa alusão à longa travessia no deserto que superou. Depois da saída de Carlos Vinícius para o Mónaco, em janeiro, e apesar da chegada de Carlos e Saíd, o avançado ganhou estatuto no plantel e pode confirmar o relançamento da carreira na parte final da temporada.