Outro maestro, mas a mesma música para o FC Porto

Outro maestro, mas a mesma música para o FC Porto
André Veloso Gomes

Tópicos

Castigo de Francisco Geraldes obriga a mexidas no onze frente ao FC Porto. Rúben Ribeiro será o criativo da equipa.

Expulso no encontro frente ao Marítimo, Francisco Geraldes é a grande baixa do Rio Ave para o duelo com o FC Porto, não só pela qualidade que o médio tem demonstrado como também pelas mexidas que o treinador Miguel Cardoso terá de fazer num onze que tão bom rendimento tem conseguido. É certo que no plantel há muitas opções de qualidade para os três lugares de médio-ofensivo que abastecem o ponta de lança, mas a ausência de Francisco Geraldes representa sempre um decréscimo de qualidade na construção de jogo.

O cenário mais provável para render Francisco Geraldes na posição 10 passa pela escolha de Rúben Ribeiro, opção que abre uma vaga no corredor esquerdo do ataque. Contando que Óscar Barreto se mantém como ala direito e que Rúben Ribeiro vai jogar como organizador, restam Nuno Santos e Gabrielzinho como candidatos à ala esquerda.

Refira-se que a fórmula de sucesso para este arranque de temporada no que às opções defensivas do meio-campo diz respeito, e uma vez que Pelé não jogou devido a lesão, já havia sido desfeita no jogo com o Marítimo. Com Pedro Moreira igualmente lesionado, a opção recaiu em Leandrinho, que formou dupla com Tarantini, cenário que se poderá repetir na receção aos dragões, até porque é pouco provável que se reverta o quadro clínico.