Vitinha cresce na versão maratonista

Vitinha cresce na versão maratonista
Francisco Sebe

Tópicos

Médio do FC Porto já somou mais minutos esta época do que no somatório das duas anteriores. Conceição elogiou-lhe a evolução

De transferência em agenda a peça imprescindível do onze do FC Porto. Esta é uma forma de resumir a época de Vitinha, na qual o médio formado no Olival se assumiu como pedra basilar para Sérgio Conceição depois de, na pré-época, ter surgido como trunfo inesperado, uma vez que a SAD contava com a concretização de uma transferência em definitivo para o Wolverhampton. O jogador acabou por ficar no Dragão e, desde então, disputou 3025 minutos de azul e branco, mais 439 do que a soma do tempo de jogo acumulado nos dois anos anteriores (2586"). Ou seja, a juntar à evolução registada pelo camisola 20 em diversos parâmetros, há esta faceta de maratonista: Vitinha nunca tinha jogado tanto.

Na primeira época como profissional (2019/20), o centrocampista começou por ser aposta regular na equipa B, deu uma "perninha" pelos Sub-19 na Youth League e acabou por ser chamado à formação principal, contabilizando um total de 1785". Seguiu-se uma cedência pouco frutífera aos Wolves, em 2020/21, que se traduziu em apenas 801". De volta ao Dragão, Vitinha não tardou a convencer Conceição, que, depois de apostar no médio no lugar que, na época passada, pertenceu a Sérgio Oliveira - entretanto emprestado à Roma -, elogiou o crescimento global do jovem. "Neste momento, parece-me um médio completo. É dos que recupera mais bolas. Aliando isso à qualidade técnica, temos um jogador que enche o campo", afirmou o treinador após a vitória (4-2) em Paços de Ferreira.

Amanhã, no Estádio da Luz, Vitinha espera carimbar a conquista do campeonato contra o Benfica, uma das três equipas a quem marcou esta época. Aconteceu nos oitavos de final da Taça de Portugal, no triunfo folgado (3-0) dos dragões. No miolo, já deverá contar com a companhia de Uribe a tempo inteiro, com quem formou duplo-pivô ao longo desta época, até à lesão do colombiano. Desde então, os portistas passaram a atuar em losango, mas o estatuto de Vitinha e Matheus não muda: são indiscutíveis.