"Se têm o código de alarme do presidente da Federação, é algo do foro criminal"

"Se têm o código de alarme do presidente da Federação, é algo do foro criminal"

Francisco J. Marques comentou a divulgação da alegada correspondência eletrónica de Pedro Guerra no programa Universo Porto da Bancada.

Francisco J. Marques comentou esta terça-feira a divulgação do alegado conteúdo da caixa de correio eletrónico de Pedro Guerra. No programa Universo Porto da Bancada, do Porto Canal, o diretor de comunicação e informação dos azuis e brancos condenou as supostas práticas do Benfica, salientando o papel do comentador da TVI24 no caso dos emails.

"Tenta-se fazer do Pedro Guerra um personagem menor, mas não é menor. Mas, acima de tudo, convém termos bem presente que isto tudo tem uma cabeça, que é obviamente a de Luís Filipe Vieira. Selecionei aqui um email do Luís Filipe Vieira para o Pedro Guerra. Lamento que o teclado dele não tenha vírgulas, mas ele disse: 'Estás a expor-te muito na TVI. Eles querem é audiência. Não podes ser transformado num produto Nestlé. Eu próprio vivi esse problema quando vim para o Benfica, mal aconselhado. Não fales do Jesus, mas sim do treinador do Sporting. Parece que estamos órfãos. Hoje o tema é o condicionamento da arbitragem. Não vás ao programa sem falar comigo. Depois liga'. Isto quer dizer o quê? Que o Pedro Guerra não é um simples comentador de televisão, era um funcionário do Benfica à data dos factos, com salário do Benfica, seguro de saúde do Benfica. Vieira é a cabeça. Max depois há Paulo Gonçalves, Pedro Guerra e um sem número de pessoas que criaram um esquema para manipular, adulterar, beneficiar o Benfica e condicionar a disciplina, arbitragem e o normal decurso das competições, baixar notas dos árbitros, vida pessoal de árbitros e presidente da FPF. Se tinham códigos do alarme da casa do Fernando Gomes, é algo do foro criminal... Isto tem de ter consequências, porque tem proporções a que não se pode fechar os olhos. Isto não é regular dentro das leis do país", afirmou Francisco J. Marques.