Sérgio Conceição mais perto de Artur Jorge: os números da corrida pelo trono no FC Porto

Sérgio Conceição mais perto de Artur Jorge: os números da corrida pelo trono no FC Porto
Bruno Filipe Monteiro

Tópicos

Treinador de 46 anos alcançou o quinto troféu nos dragões com a vitória na Supertaça

A conquista da Supertaça Cândido de Oliveira permitiu a Sérgio Conceição terminar 2020 em alta, mas o ano de 2021 poderá marcar a entrada do técnico de 46 anos para a história do FC Porto.

Com a vitória frente ao Benfica, Conceição chegou ao quinto título de azul e branco e ficou numa posição privilegiada para ascender ao trono de treinador com mais troféus conquistados no clube, na posse de Artur Jorge desde o final da década de 80 e início da de 90. O que precisa de fazer é vencer pelo menos as competições internas que tem para disputar este ano: campeonato, Taça de Portugal e Taça da Liga. Se lhe somar a Liga dos Campeões, muito mais difícil atendendo à ferocidade da concorrência, até se isolaria à frente do "Rei Artur".

Os cinco títulos conquistados por Sérgio Conceição em três épocas e meia no FC Porto colocam-no, para já, no terceiro lugar desta tabela. O treinador de 46 anos partilha o posto com os consagrados José Maria Pedroto, com quem já foi comparado por Pinto da Costa, Bobby Robson e Fernando Santos. No entanto, a subida ao segundo lugar, ocupado por Jesualdo Ferreira e José Mourinho, até poderá suceder já no próximo mês caso se torne no primeiro técnico da história dos azuis e brancos a erguer o único troféu que falta na vitrina do clube: a Taça da Liga. Os restantes serão decididos até maio.

Dos 68 treinadores (incluindo interinos) que orientaram o FC Porto desde o arranque das principais provas nacionais, 24 conseguiram colocar um troféu no museu do clube. O primeiro foi Joseph Szabo, um dos 17 que conseguiram vencer a competição mais importante a nível interno: o campeonato.

O húngaro arrecadou logo o primeiro, na já distante temporada de 1934/35. Contudo, apenas doze conseguiram juntar a Liga à Taça de Portugal e somente nove conquistaram estas duas provas e ainda a Supertaça. Artur Jorge e José Mourinho foram os únicos que se despediram dos dragões com todas as competições internas e, pelo menos, uma internacional no currículo, ainda que nem todas as conquistas tivessem sido no mesmo ano. André Villas-Boas "falhou" a Taça da Liga, prova que não existia com os anteriores. Mas conquistou os quatro troféus que tem numa só época.