SAD do FC Porto avalia regresso de Mangala com duas condições à mistura

SAD do FC Porto avalia regresso de Mangala com duas condições à mistura
António M. Soares

Tópicos

O francês não conta para Guardiola e entra no último ano de contrato com o Manchester City, que procura solução para o central

A SAD do FC Porto pondera o regresso de Mangala ao Dragão. Perante as saídas de Felipe e de Éder Militão para Atlético de Madrid e Real Madrid, respetivamente, o central francês - que representou os azuis e brancos entre 2011/12 e 2013/14 - é uma das possibilidades que mais agradam para reforçar a defesa, entre os nomes que surgiram nos últimos dias no mercado.

O problema é que o jogador está sem competir ao mais alto nível desde fevereiro de 2018, altura em que se lesionou nos ligamentos do joelho direito ao serviço do Everton, onde esteve emprestado. Mangala foi operado e o Manchester City prolongou-lhe o contrato por mais uma temporada (até 2020) na esperança de recuperar parte do investimento no último mercado de inverno, mas desde então o jogador realizou apenas cinco jogos pelas reservas dos "citizens" e chega a esta altura sem grandes perspetivas para temporada que se anuncia.

A primeira condição para a viabilidade do regresso ao Dragão passa por uma avaliação física do jogador, que afaste qualquer tipo de dúvidas em relação à sua recuperação total, antes de embarcar numa temporada que se prevê exigente para os dragões, cujo objetivo principal passa por tentar recuperar o título perdido para o Benfica. A segunda condição para o regresso de Mangala implica negociações contratuais que o coloquem ao alcance dos cofres do FC Porto e que obrigam desde logo o jogador a baixar o ordenado que aufere atualmente no campeão inglês. Com o plantel apetrechado com Pepe, Mbemba, a SAD não está na disposição de investir demasiado no reforço daquela posição.

O resgate junto do City não é complicado. O francês não cabe nos planos de Pep Guardiola e o clube inglês já perdeu a esperança de ter retorno sobre os 40 milhões de euros que pagou em 2014. Da parte do jogador, e de acordo com fonte muito próxima, o interesse em voltar ao FC Porto também é grande, pois aos 28 anos este quer muito relançar a carreira e voltar a competir ao mais alto nível e a disputar títulos. A carreira de Mangala no City resumiu-se praticamente às duas primeiras temporadas efetuadas sob o comando técnico do chileno Manuel Pellegrini. A seguir, foi cedido ao Valência e esteve em plano de destaque, ao ponto de ser chamado por Guardiola para voltar. Agora, pode regressar ao ponto de partida para substituir Militão e Felipe.