Quanto custou Mbemba e outros dados do mercado do FC Porto

Quanto custou Mbemba e outros dados do mercado do FC Porto
André Morais

Tópicos

Dragões pouco ultrapassaram os 15 milhões de euros no somatório do preço dos reforços para Sérgio Conceição. O congolês foi o mais caro dos dragões, mas Gabriel (Benfica) acabou como o mais caro em Portugal

Se foi caro ou barato, só o tempo e o rendimento o poderão dizer, mas a verdade é que Mbemba não custou oito milhões de euros, como sempre se escreveu. O FC Porto não tornou qualquer preço oficial e nem o fará tão cedo, até porque não tendo comunicado o negócio de forma pública à CMVM, só o relatório e contas do primeiro semestre, que será publicado em fevereiro, o poderá revelar. Mas O JOGO apurou que o preço do congolês foi, afinal, bem inferior aos oito milhões que se apregoaram: Mbemba custou 4,5 milhões de euros à SAD azul e branca e é dragão na totalidade. Ou seja, o FC Porto tem 100% do passe do jogador.

Os oito milhões de euros eram inicialmente o valor que o Newcastle pedia. Mas o FC Porto sempre o recusou e jogou com o tempo e a vontade de Mbemba. O africano escolheu o FC Porto no imediato e esforçou-se para conseguir sair, ao mesmo tempo que os dragões iam esperando, mesmo com Sérgio Conceição a exigir reforços rapidamente. Ainda assim, o central, que agora recupera de uma lesão contraída no segundo treino da época, foi o reforço mais caro do FC Porto numa temporada já mais folgada do que a anterior, mas, ainda assim, de grande contenção. João Pedro e Éder Militão custaram quatro milhões de euros, Ewerton e Saidy algo a rondar os três milhões e o resto dos reforços, nomeadamente Jorge e Bazoer, chegou por empréstimo.

Num balanço geral do mercado que encerrou na semana passada, o FC Porto gastou cerca de 15,5 M€ e viu entrar 65 M€. Se Mbemba foi a compra mais cara, Ricardo e Dalot estão lado a lado no topo dos que mais renderam: 22 M€. Em Portugal, os mais caros foram os benfiquistas Gabriel (8 M€), Castillo (7,87 M€) e Conti (4,72 M€)