Pinto da Costa: "Provarei, no sítio certo, a orquestração de calúnias e mentiras"

Pinto da Costa: "Provarei, no sítio certo, a orquestração de calúnias e mentiras"
Bruno Filipe Monteiro / Carlos Gouveia / Ana Luísa Magalhães

Tópicos

Presidente do FC Porto fechou ao ataque mais uma cerimónia de entrega dos Dragões de Ouro e com uma garantia aos adeptos.

O Estádio do Dragão foi, desta vez, o palco escolhido para receber a entrega dos prémios Dragão de Ouro, cerimónia aproveitada por Pinto da Costa para denunciar "calúnias e mentiras" que diz terem vindo a público, sem se referir diretamente, mas a aludir às buscas ordenadas pelo DCIAP a vários locais do país, entre os quais a sua residência. Alertando de que não iria fazer qualquer discurso e apenas expressar tudo o que sentia, o presidente do FC Porto puxou de um poema de Fernando Pessoa para afirmar que ainda sente poder "ser útil" ao clube "durante algum tempo" e passou ao ataque.

"Continuo a sonhar e tenho a certeza que Deus me permitirá isso: ter tempo de provar, no sítio certo, a orquestração de certa comunicação social, de calúnia e mentira, para me afrontar a mim, ao FC Porto e aos meus amigos", sublinhou o líder do clube azul e branco. "Estou certo de que ainda vou ter tempo de demonstrar aquilo que sempre fui e que os meus pais me ensinaram a ser: uma pessoa séria e honrada, sem ter nada que se lhe diga. E a obra continuará a crescer sempre, comigo e com quem vier, porque o FC Porto é eterno", atirou.

Na intervenção, que colocou um ponto final na cerimónia, Pinto da Costa passou em revista todos os vencedores dos Dragões de Ouro desta edição. Lembrou o companheiro e amigo Reinaldo Teles, falecido há um ano, as ações de caridade da Casa do FC Porto de Seia, o "orgulho" que era ter Fernando Gomes na "extraordinária equipa" que forma a Direção do clube, desafiou Amaro Antunes a atacar a terceira Volta a Portugal, aconselhou Umaro Candé a seguir os conselhos que lhe dão para voltar a ganhar uma estatueta, apelidou Rui Silva de "homem com H grande", descreveu Joana Resende como "uma verdadeira atleta à "Porto"" e elogiou Tiago Gouveia por "sonhar e acordar a pensar na criatividade". A entrega do Dragão de Ouro de Atleta Revelação a Francisco Conceição, sem o pai (Sérgio Conceição) saber, foi justificada por Pinto da Costa pelo facto de o extremo ter apresentado "um desenvoltura e um empenhamento pelas vitórias sempre que entreva em campo". Já o de Futebolista do Ano, entregue a Sérgio Oliveira, deveu-se à temporada que realizou.

"Um dia quando, terminares a carreira e fizeres uma retrospetiva, vais lembrar que 2020/21 foi especial para a tua carreira. Fizeste uma grande época, que nós nunca esqueceremos, pois contribuíste para grandes vitórias. Estou certo que nem a Juventus há-de esquecer", rematou, para gargalhada geral.

"Disseram basta e tiraram o título"

Uma das partes mais fortes do discurso do presidente visou a distinção de Treinador do Ano para o "galego mais português e portuense que existe", Moncho López, do basquetebol.

"No ano passado, foi campeão nacional até dez segundos do fim, enquanto decorreu o campeonato da verdade. Quando disseram basta - para não dizer chega -, "vamos aldrabar isto tudo" e tiraram-lhe o título. Para mim, é o campeão nacional", vincou Pinto da Costa, em referência ao polémico lance que decidiu a final do campeonato nacional, disputada com o Sporting.