Pinto da Costa e uma despedida que "custou muito": "Disse que ia para a Juventus e todos se riram"

Pinto da Costa e uma despedida que "custou muito": "Disse que ia para a Juventus e todos se riram"
Ana Luísa Magalhães

Tópicos

O sétimo episódio da série "Ironias do Destino" passou por 1988, o ano em que o FC Porto bateu o Ajax, por duas vezes, para conquistar a Supertaça Europeia, a "cereja no topo do bolo", descreveu Pinto da Costa.

Supertaça Europeia: "Foi a cereja no topo do bolo. Dois jogos fantásticos, ganhámos 1-0 em Amesterdão com um golo do Rui Barros que ficou para a história, fintou toda a gente com a sua velocidade estonteante."

Rui Barros: "Essa exibição do Rui Barros em Amesterdão valeu-lhe uma transferência que para o FC Porto foi importante e que levou o Rui Barros para a primeira fila das estrelas do futebol europeu, para a Juventus."

Mais confiança na liderança depois de vários troféus: "Senti sempre confiança e tive o apoio de muita gente. Ninguém faz nada sozinho. Geração atrás de geração, são pessoas muito importantes para mim e para o clube."

Era para ver o Madjer: "A Juventus tinha ido a Amesterdão para ver o Madjer e ele nem jogou, jogou o Rui Barros. Eles ficaram tão encantados que contactaram-nos para o adquirir. Foi tudo muito rápido e surpreendente. Perguntei ao Rui Barros se queria ir para a Juventus e ele julgou que eu estava a brincar. De manhã, havia treino, foi ao balneário buscar as botas e disse que ia para a Juventus: todos se riram muito, ninguém acreditou. Mas foi uma carreira bonita que ele fez, na Juventus e noutros clubes para onde foi jogar."

Entradas e saídas, presidente fica: "Em qualquer jogador que entre, há sempre uma expectativa grande e uma felicidade porque pensamos sempre que é alguém que nos vem ajudar a sermos melhores. Normalmente, temos conseguido que isso aconteça, às vezes não acontece por factos extra futebol. Quando saem, tenho sempre muita pena, uns mais do que noutros, é certo. Por exemplo, ver sair o Rui Barros custou-me muito. São atos de gestão necessários, temos de tomar as decisões, mas há jogadores que me custou muito ver sair. Tenho sempre boa ligação com todos, quando saem desejo-lhes as maiores felicidades, que ganhem todos os jogos menos ao FC Porto. Acompanho a carreira deles e tenho contacto com a maioria."