Pinto da Costa aborda a postura do FC Porto no mercado: "Quase um terço do nosso orçamento é para impostos"

Pinto da Costa aborda a postura do FC Porto no mercado: "Quase um terço do nosso orçamento é para impostos"
Carlos Gouveia

Tópicos

Pinto da Costa esteve esta quarta-feira na TSF

Sobre as contas de 2020/21: "Estou satisfeito. Permitiu-nos sair do fair-play financeiro que era uma situação desagradável e cria boas perspetivas para no futuro continuarmos neste sentido, podendo estar mais sólidos e ter aspirações a outros voos."

Atacar mercado de outra forma: "Não. Neste momento não. A situação financeira é uma coisa, outra é a tesouraria e não podemos esquecer que tivemos um prejuízo de 27 milhões de euros por época nesta pandemia, que deixou muitas dificuldades."

Impostos, Marcelo e Governo: "Quase um terço do nosso orçamento é para impostos. São mais de 40 milhões de euros para o Estado em impostos, com zero de ajudas. Isso cria muitas dificuldades ao FC Porto e aos clubes em geral. Vamos procurando resolver os nossos compromissos. Pagamos 23 por cento para ir ao futebol, para depois o Presidente da República dar 'shows' a receber as equipas quando ganham, e nas touradas e espetáculos pornográficos o IVA é de 6 por cento. É incompreensível para mim, mas quem governa tem uma inteligência muito superior à nossa e compreenderá como isso é explicável, embora nunca o tenha feito".