Premium Os destaques da análise pormenorizada ao Relatório e Contas do FC Porto

Os destaques da análise pormenorizada ao Relatório e Contas do FC Porto

Portistas adquiriram mais 25 por cento do passe de Felipe antes de o brasileiro ser vendido ao Atlético de Madrid e cederam 3,5 por cento do passe do Corona a terceiros

Com a divulgação completa do Relatório e Contas Consolidado do FC Porto relativo a 2018/19, que fechou com um resultado positivo de quase 9,5 milhões de euros, foi possível perceber que as alienações de passes geraram mais-valias líquidas no valor de 47,8M€ e que os gastos com a aquisição de atletas rondaram os 52,4M€. Nesta quantia estão incluídos encargos adicionais de sensivelmente 8M€, dos quais 6,2M€ foram respeitantes a serviços de intermediação.

Manafá, comprado em janeiro ao Portimonense, custou três milhões de euros por 60 por cento do passe; Loum, que inicialmente cedido pelo Braga, um total de 7,75M€ [ver mais página 19]; e Saravia, o primeiro reforço de 2019/20, foi adquirido por 5,25M€ ao Racing. No que toca a vendas, a de Militão, que foi a mais avultada do último exercício financeiro (50M€), gerou uma mais-valia de pouco mais de 28,4M€. O Real Madrid, no entanto, ainda tem 40M€ por entregar relativos ao negócio do brasileiro, ao invés do Atlético, que já tem liquidada mais de metade da divida respeitante à compra de Felipe. O nome do brasileiro, de resto, surge também na rubrica respeitante às aquisições, uma vez que, em março, antes de o transferir, os dragões adquiriram mais 25 por cento do seu passe ao Corinthians por 4M€.