"O Nakajima não pode voltar sem ser aceite por todos no FC Porto"

"O Nakajima não pode voltar sem ser aceite por todos no FC Porto"
Manuel Casaca

Tópicos

Theodoro Fonseca, presidente da SAD do Portimonense, abordou a situação do jogador japonês do FC Porto.

Theodoro Fonseca, presidente da SAD do Portimonense e representante de Shoya Nakajima, abordou esta segunda-feira a situação do médio-ofensivo no FC Porto. O internacional japonês, ex-jogador dos algarvios, não tem treinado e Sérgio Conceição já remeteu a questão para a Direção azul e branca.

"O caso do Nakajima é muito delicado. Até concordo com a postura do FC Porto e do Sérgio Conceição até porque é a segunda vez que acontece um caso destes. A primeira vez foi quando nasceu a filha dele. O Sérgio Conceição e todo o grupo abraçaram-no por ser pai e uma questão familiar. Depois ele foi reintegrado. Desta vez teve o problema da covid-19. Essa é a pura verdade. Todos os funcionários de casa deles ficaram apreensivos e voltaram para o Japão. Tanto a cozinheira como o intérprete e a professora. Ele ficou sozinho em casa. Tem uma filha recém-nascida e a esposa dele precisa de cuidados especiais. A equipa técnica e a administração da SAD nunca lhe viraram as costas", começou por referir Theodoro em entrevista à SIC Notícias.

"O clube faz um contrato com um jogador e não com a família. O FC Porto está a atravessar uma fase muito difícil no campeonato e precisa do Nakajima. De início ele recusou-se a treinar, devido à esposa, e entendo perfeitamente o lado do clube e do Sérgio Conceição, mas não teve nada a ver com a falta de pagamento, como foi escrito. O FC Porto tem tudo em dia com o Nakajima, não tem uma única dívida. Foi mesmo o lado familiar e o Nakajima não quis reintegrar o grupo", acrescentou o dirigente do Portimonense, que garante que Nakajima "quer treinar", mas salienta a importância de "consultar todo o grupo":

"O Nakajima quer treinar agora, mas é um problema delicado, tem que passar por todos os procedimentos, inclusive fazer os testes da covid-19. Expliquei isso ao Nakajima e o meu filho [Theo Ryuki] também já lhe explicou. Agora não é só ele querer treinar, tem de fazer os testes à covid-19, tem de ser aceite pelo grupo e pela equipa técnica. Por mais vontade que tenha, agora vai ter de esperar. O Nakajima é um jogador fabuloso, é um fora de série, mas é um profissional e tem de entender o lado do clube. (...) Todo o grupo tem de ser consultado, assim como a equipa técnica e a administração da SAD. O Nakajima não pode voltar sem ser aceite por todos. Se acontecesse isso no Portimonense, era o que eu faria. O meu filho está a gerir muito bem a carreira dele, mas sabemos que a resolução do problema não depende apenas do jogador, depende de ambas as partes", rematou Theodoro Fonseca.