Mercado do FC Porto: futuro de Mbemba mantém-se uma incógnita

Mercado do FC Porto: futuro de Mbemba mantém-se uma incógnita
Ana Luísa Magalhães

Tópicos

Internacional congolês é peça importante, mas esta também será uma das melhores oportunidades para realizar um bom encaixe. Está avaliado em 16 milhões de euros pelo portal "Transfermarkt"

No final do jogo com o Famalicão, Sérgio Conceição admitiu que não tem problemas à frente e que "atrás é que pode haver ajustes", com a lacuna na lateral-esquerda já há muito tempo identificada. Contudo, não é só aí que pode haver mexidas até ao fecho do mercado.

Para o FC Porto, é imprescindível realizar vendas, até para facilitar futuras entradas e há um jogador cujo futuro mantém-se numa incógnita: Chancel Mbemba. A situação do defesa-central exige algum cuidado na abordagem, uma vez que o contrato termina no final desta época e a SAD quer evitar novas saídas a custo zero.

O internacional congolês, de 27 anos, está a atravessar a melhor fase da carreira com a afirmação no FC Porto, onde se tornou indiscutível há duas épocas e há vários clubes atentos à sua situação. É possível que cheguem propostas ao Dragão nos próximos dias e se, por um lado, a importância do jogador na equipa não fará a SAD abrir mão dele a qualquer preço, por outro, esta pode ser uma das melhores oportunidades para realizar um bom encaixe com o central.

A República Democrática do Congo não se qualificou para a CAN, que se disputa entre janeiro e fevereiro, o que também deve ser levado em conta. Por essa altura, porém, Mbemba já terá o futuro na mão, se a situação não se alterar até lá, seja através de uma transferência, seja através da renovação.

Com Pepe indiscutível, Marcano, Diogo Leite e Fábio Cardoso estão à espreita...

Outros Nanu, Carraça e Cláudio com pouco espaço

Mais longe do onze, há outros processos por decidir, essencialmente dependentes das laterais. Falamos de Nanu e Carraça. O primeiro já foi associado a clubes gregos e o segundo, na pré-época, foi utilizado a meio-campo, onde não faltam alternativas. Se chegar o tão desejado lateral-esquerdo, esta dupla fica ainda com menos espaço. Depois, ainda há Cláudio Ramos, que continua tapado por Diogo Costa e Marchesín.