Mbemba e a relação com Conceição: "Para que ele não mude as suas palavras..."

Mbemba e a relação com Conceição: "Para que ele não mude as suas palavras..."

Central do FC Porto em entrevista à Leopards TV.

Como é a sua relação com Sérgio Conceição?

- É boa. Conceição é como um pai e a relação é de treinador e (nós) os seus filhos.

Conceição disse que era um jogador importante:

- Para mim é espetacular que um treinador diga isso. Eu e o treinador somos de trabalho. Eu faço o meu trabalho e sei que se baixar o meu nível essas palavras podem mudar. E para que ele não mude as suas palavras, tenho de manter o meu nível sempre constante.

Há muitos jogadores africanos no FC Porto. Vocês são próximos uns dos outros?

- Estarei a mentir se disser que não somos próximos. Para começar temos uma facilidade de comunicação porque falamos todos francês. Estamos sempre a discutir o tempo todo [risos], quer seja quando estamos na equipa ou fora. Dá para perceber bem o grupo dos africanos [risos]. Há o grupo dos brasileiros, dos portugueses, mas no fundo acabamos todos por ser uma família.

A presença dos africanos facilitou a adaptação ao FC Porto?

- Não sei. Quando cheguei tinha de mostrar as minhas qualidades. Tinham visto os meus vídeos no Anderlecht e Newscastle, mas ali tratava-se de uma equipa nova. Então, quando cheguei, todas as coroas de glórias que pudesse trazer, ali não entravam, porque estava a chegar a um clube novo em que tinha ainda tudo a provar. E por isso tinha de provar do que era capaz em cada treino. É depois de dares provas em campo, que te começam a integrar no seu círculo.

No próximo ano vai jogar a Liga dos Campeões. Que podemos esperar do FC Porto nesta competição?

- Estou encantado de voltar. Já a joguei há muito tempo. Dá-me muito prazer regressar a este nível. Mas vamos trabalhar para disputar todas as competições. Ponho tudo nas mãos de Deus. No dia em que essa oportunidade chegar, vamos mostrar apenas a nossa qualidade.

Há dois anos assinou pelo FC Porto, o que o fez escolher este clube?

- Nunca pensei que isso acontecesse, juro pela minha família. Deus deu-me essa oportunidade. Não estava a jogar. Assumo que não fiz nada ao Benítez. Quando olho para trás, não vejo que tenha feito algo ao Benítez, mas agora dou graças por ter ido para um clube como o FC Porto. Nunca pensei deixar o Newscastle, pensei que ia cumprir os meus cinco anos de contrato, mas o destino quis outra coisa.