Luis Díaz não se ilude com os elogios: "Vão pedir-me o dobro do que exigiam"

Luis Díaz não se ilude com os elogios: "Vão pedir-me o dobro do que exigiam"
Ana Luísa Magalhães

Tópicos

O extremo continua a ser muito solicitado no país natal e motivação para o regresso a Portugal não lhe deve faltar. Contudo, sabe que terá de corresponder a níveis mais altos de exigência.

Luis Díaz continua a desdobrar-se em solicitações na Colômbia, depois de ter roubado o palco na Copa América e enquanto se prepara para regressar a Portugal, na próxima semana.

Motivação não deve faltar ao extremo para a terceira temporada no FC Porto, mas a serenidade aparenta manter-se. Desde a ala esquerda ou como segundo avançado, papel que desempenhou algumas vezes nos dragões, Díaz sabe que a fasquia está alta.

"Pensa-se muito pouco num jogo. É claro que há o lado tático, mas, para tomar uma decisão, tens milésimos de segundo, caso contrário, ficas logo com dois ou três jogadores em cima", analisou o extremo, em entrevista à "Ojo Pelao", magazine da terra natal, Barrancas.

Para lá dos desafios do jogo, Díaz não se ilude com os múltiplos elogios. Pelo contrário, o extremo de 24 anos assume que a "responsabilidade será maior", depois de ter sido considerado jogador revelação da Copa América e integrado o onze ideal.

"Tenho de dar mais, porque me vão pedir o dobro do que exigiam", vincou o avançado, consciente de que os louvores têm uma tendência para a efemeridade: "Se as coisas te correm bem, põem-te num altar. Se tens dois ou três meses maus, ficas para baixo de novo. Tenho de estar tranquilo e mentalizado para o que quero, o resto chega sozinho."