Lopetegui, Peseiro e a relação com Nuno segundo Casillas

Lopetegui, Peseiro e a relação com Nuno segundo Casillas

Em entrevista ao Porto Canal, guarda-redes do FC Porto falou sobre os treinadores da época 2015/16, e garante "gostar" de trabalhar com Nuno Espírito Santo.

2015/16 com Lopetegui e Peseiro: "Todos tivemos responsabilidades. A verdade é que estávamos bem nas diferentes competições, mas o clube decidiu que houve dois resultados que não foram bons e deu-se a mudança. Há que respeitar, e apostaram no Rui Barros e depois no Peseiro. A equipa mudou, esteve diferente do que tínhamos visto, mas pagámos também a fatura das lesões, jogadores importantes que estiveram lesionados. E isso não foi bom. Essas coisas foram as que determinaram o desfecho da época. Acabou como acabou... A final da Taça foi um exemplo do resto da temporada. Havia que felicitar o Braga, os seus adeptos pela conquista, mas creio que foi uma equipa que fez muito pouco para estar a ganhar 2-0 ao minuto 50".

Nuno Espírito Santo: "Joguei contra ele na sua etapa no Osasuna, conhecia de quando era treinador do Valência. Em Espanha as pessoas são exigentes, e creio que não houve calma com as exigências que tiveram com ele. Aqui foi um jogador do clube, portista e creio que lhe estão a dar a tranquilidade para que isto siga bem".

Balanço do trabalho com Nuno: "Eu gosto. É um treinador dinâmico, que exige, que fala na cara quando tem de falar, e isso é bom. Deixa os jogadores falar, há que haver uma relação de falar, opinar, sempre com respeito mútuo".

Época atual: "Tem sido um ano de muitas mudanças outra vez. Saíram uns, entraram outros jogadores, jogadores jovens inclusive. E isso não é fácil. Temos o Benfica e o Sporting que já estão mais armados, com jogadores que já jogam juntos há algum tempo, mas nós não. Houve mudança de treinador, têm que assimilar as matrizes que preconiza o mister, o mister tem de entender também a equipa que tem, os seus jogadores. Mesmo com isso tudo, creio que a temporada está a ser boa, está a correr bem. Porquê? Porque conseguimos uma qualificação na Champions, é certo que caímos na Taça de Portugal - creio que injustamente, pois não pudemos acabar 0-0 essa partida -, mas não foi só pela nossa responsabilidade, mas por outras pessoas que têm responsabilidade no jogo, más decisões, todos somos humanos e erramos, evidentemente. A Taça da Liga é muito importante para nós, porque é o último título do ano e o FC Porto tem de lá estar, em Faro. É verdade que houve duas ou três partidas em que não estivemos com sorte, mas estamos aí. Não dependemos de nós, é certo, mas ainda há muito caminho para percorrer esta temporada. Às vezes, quando as coisas não correm bem, têm de retirar coisas positivas. Se se passasse igual ao ano passado, teríamos perdido a maioria das partidas. Este ano, pelo menos, deixamos de sofrer golos em muitos jogos. O grupo está mais homogéneo e mais forte".