Francisco J. Marques: "Pior só se estivessem a atentar contra a vida de alguém"

Francisco J. Marques: "Pior só se estivessem a atentar contra a vida de alguém"

Diretor de comunicação e informação do FC Porto comentou o caso e-toupeira.

Francisco J. Marques voltou a abordar o caso e-toupeira, desta vez referindo-se ao papel das sociedades de advogados contratadas pelo Benfica no processo que implica Paulo Gonçalves, assessor jurídico dos encarnados, e José Silva, funcionário judicial em prisão preventiva.

"Quem foram os advogados? De leis é suposto que saibam, por isso tinham perfeita noção que estavam a cometer um ilícito enorme. Pior só se estivessem a atentar contra a vida de alguém. Não foi só o Paulo Gonçalves, as sociedades de advogados também praticaram. Quem foram os advogados que tiveram a lata de cometer um crime desta dimensão? Essa sociedade Vieira de Almeida é uma das mais prestigiadas e mais caras do país, é o poder destas grandes sociedades. Daqui a pouco estamos nas mãos de meia dúzia de pessoas com escrúpulos muito duvidosos", considerou o diretor de comunicação e informação do FC Porto.

Francisco J. Marques falou também sobre o papel de Paulo Gonçalves no caso e-toupeira, referindo que "todos no Benfica beneficiavam da informação" recolhida pelo assessor jurídico do Benfica.

"Só engole a tese que isto era uma prática isolada do Paulo Gonçalves quem quiser fazer figura de totó. Todos beneficiavam da informação. Alguém acredita que, tendo o Benfica contratado uma série de sociedades de advogados, isto foi uma decisão do Paulo Gonçalves? Foi da administração da SAD. Alguém terá tido acesso a informações que vinham via Paulo Gonçalves. Vamos acreditar que nada passava pela administração do Benfica? Obviamente que a administração do Benfica sabia, e por maioria da razão, sabe também o presidente do Benfica. Não adianta isolar o Paulo Gonçalves como sendo o mau da fita. É o mau da fita em muitas coisas, em todos os casos que o Benfica está metido, mas não é o único. Luís Filipe Vieira também está em todas", apontou.