Fernando Gomes prevê fim antecipado do acordo com a UEFA

Fernando Gomes prevê fim antecipado do acordo com a UEFA
Bruno Filipe Monteiro

Tópicos

Administrador da SAD portista aponta o aumento das receitas das provas da UEFA e a entrada em vigor do novo contrato de direitos televisivos como fundamentais para o sucesso no próximo exercício

O FC Porto está a prever antecipar em um ano o fim do acordo estabelecido com a UEFA, no âmbito das regras do Fair Play financeiro. A perspetiva foi manifestada por Fernando Gomes, administrador da SAD azul e branca para a área financeira, durante a apresentação do Relatório e Contas relativo à temporada de 2017/18.

"O FC Porto tem uma imagem na UEFA de cumpridor rigoroso. A monitorização continuará a partir daqui [exercício de 2018/19], mas será um orgulho para ambas as partes que tenhamos atingido o objetivo antes do que era o período traçado", afirmou.

Para esta previsão são fundamentais dois aspetos: o aumento das receitas provenientes das provas europeias e a entrada em vigor do novo contrato de direitos televisivos rubricado com a Altice.

"Os proveitos operacionais, fora a venda de jogadores, estão a aumentar e este ano vão dar um salto muito grande. Primeiro, porque as receitas provenientes das competições europeias aumentaram. O que está previsto nas nossas contas para atingirmos esses resultado é chegarmos aos oitavos de final da Liga dos Campeões, pelo que esperamos alcançar entre 67 e 70 milhões de euros. Por outro lado, passará a ser contabilizado apenas neste exercício - e não nos anteriores, como sucedeu com os dois principais competidores do FC Porto no campeonato nacional - o acordo que estabelecemos com a Altice para efeitos televisivos", informou.

Em relação ao aumento aos custos com o pessoal (78,8 milhões de euros), no qual o clube deveria ter apresentado um valor inferior ao da época passada (73,263 milhões), o administrador portista explicou que se deveu ao sucesso obtido no campeonato.

"Foi um pouco além do que tínhamos previsto, porque em matéria de encargos com o nosso plantel subiram seis milhões de euros por termos sido campeões, devido aos pagamentos de prémios de toda a gente. Caso contrário, teria ficado ligeiramente abaixo", sustentou.