FC Porto precisa de reviravolta à 2004, mas eis as razões para acreditar nas meias

FC Porto precisa de reviravolta à 2004, mas eis as razões para acreditar nas meias
Ana Luísa Magalhães

Tópicos

O FC Porto nunca deu a volta a uma desvantagem de dois golos, mas já se superiorizou várias vezes em casa a tubarões europeus

A tarefa que o FC Porto tem, esta noite (20 horas), nas mãos diante do Liverpool é árdua, não só pela qualidade do vice-campeão europeu, mas também necessidade de lograr algo inédito no clube: virar uma eliminatória com dois golos de desvantagem. Muitos portistas pensarão que há sempre uma primeira vez para tudo, mas a verdade é que, pelo menos, há outros precedentes que dão razões para acreditar numa noite feliz.

Com a certeza de que cada partida tem a sua história, uma análise aos jogos europeus do FC Porto em casa frente a equipas de renome mostra várias vitórias. Nove para sermos exatos, desde que existe o formato Liga dos Campeões (1992/93), conforme mostra o quadro ao lado. Nenhum desses triunfos atingiu os números que os dragões precisam para eliminar o Liverpool e chegar às meias-finais da Champions, mas por duas vezes conseguiram o resultado que levaria a partida de hoje a prolongamento, diante do Inter de Milão e do Arsenal.

As equipas inglesas, aliás, estão longe de ter um saldo favorável em casa do FC Porto: em 13 encontros, os portistas venceram seis, empataram quatro e perderam apenas três, mas a última das quais diante do Liverpool e por um resultado bem pesado (5-0), na época passada. No quadro que apresentamos não incluímos o Leicester, que perdeu pelo mesmo resultado no Dragão em 2016, porque, pese o estatuto de campeão inglês, estava longe do peso e histórico europeu das outras equipas.

Fora do histórico do FC Porto, há exemplos de superação que podem inspirar os homens de Sérgio Conceição. Não falamos da remontada da Juventus diante do Atlético, que vencera a primeira mão em casa por 2-0, mas a eliminação do PSG aos pés do Manchester United, que estava na mesma situação dos italianos, foi bem mais surpreendente. De tal forma que é o único exemplo da história da Champions de uma equipa que recuperou dois golos de desvantagem a jogar fora de casa.

No entanto, dois dos casos mais próximos do contexto do FC Porto estão, curiosamente, ligados de forma indireta à história do clube. Em 2003/04, o Corunha marcou encontro com os dragões na meia-final depois de ter humilhado o Milan de Dida, Maldini, Gattuso, Rui Costa ou Shevchenko: perdeu por 4-1 em Itália e respondeu com um 4-0 na Galiza. "Os milagres acontecem muitas vezes no futebol. Situações das quais não estás à espera de forma racional", afirmou na altura Javier Irueta, treinador do Corunha, que foi a pé até Santiago de Compostela como promessa. Na final, os portistas bateram o Mónaco, que nos "quartos" eliminara o Real Madrid depois de perder por 4-2 no Bernabéu. Mas se estes exemplos já parecem demasiado distantes no tempo, basta recuar à última temporada e à façanha da Roma: 3-0 ao Barcelona e passagem às meias-finais, em recuperação aos 4-1 sofridos em Camp Nou.

Três surpresas

Em 2004, Corunha e Mónaco encontraram o FC Porto depois de darem uma grande volta a Milan e Real Madrid. Em 2018, a Roma impôs-se ao Barcelona com um 3-0 e apurou-se

Cinco vitórias

Dos nove triunfos em casa para a Champions contra tubarões, cinco foram com ingleses. O Liverpool escapa à tendência