"Estar consciente das armadilhas fez com que o FC Porto vencesse"

"Estar consciente das armadilhas fez com que o FC Porto vencesse"

Pinto da Costa, que assinala 37 anos de presidência do FC Porto, é protagonista do primeira parte do programa do Porto Canal que celebra os 125 anos do clube

A fundação: "Há um sentimento que reflete o que é o espírito atual do FC Porto, mas que demonstra que os seus fundadores, o António Nicolau de Almeida e os amigos, desde o primeiro momento sentiram que estavam a fazer um clube que rapidamente ia romper as fronteiras da cidade e do próprio país. Inicialmente as cores do FC Porto eram para ser verdes e o fundador entendia que devia ser o azul e branco, porque eram as cores da bandeira nacional. E como defendia que haveria de ultrapassar as fronteiras da cidade, da região e do país, tinha de ter as cores da nossa bandeira. Era já a previsão do que iria ser o FC Porto, uma visão do futuro e foi muito bom, pelo que representa e porque azul e branco são as cores mais bonitas que há. Não é por acaso que o céu é azul"

Porto e mundo: "Quando as coisas nascem bem, é bom que permaneçam assim. O FC Porto nasceu com esse espírito e mantém-se. Todos nós mantemos um grande amor à nossa cidade, que consta do nome do clube, mas temos honra por ser conhecidos em todo o mundo e sermos o embaixador de Portugal em todos os recantos onde há um português."

Uma má experiência: "Fui ver um FC Porto-Braga à Constituição. Fui com o meu irmão que era mais velho e quando o peão encheu não via nada... Limitei-me a ver a bola passar junto à rede ou chutada pelo ar. Fiquei triste, queria vir embora e estava num aperto, mas o meu irmão via e tive que aguentar. Foi uma má experiência."

O centralismo antes e agora: "Se hoje há o centralismo, na altura não era maior, era igual. Só que na altura estávamos no tempo do fascismo. Como dizíamos então, Portugal era Lisboa e o resto era paisagem. Isso foi combatido por muita gente e hoje não há ninguém que aceite isso. As dificuldades eram tremendas, felizmente que com o 25 de abril muita coisa se alterou"

Vitórias à Porto: "As vitórias são sempre vitórias, festejadas pelas pessoas do Porto são de maneira especial porque todos sabem as dificuldades suplementares que nos aparecem em cada esquina. Mas eram coisas fantásticas. O campeonato conquistado em Torres Vedras foi uma jornada inesquecível porque terminou o jogo e ficámos à espera do Benfica, pelo célebre do jogo do Calabote, que nunca mais acabava."

O Torreense-FC Porto: "Quando fomos para lá já sabíamos que haveria problemas, já sabíamos que quem dirigia o Torreense era um treinador do Benfica, que orientou para que pudesse ganhar ao FC Porto. Já se sabia que o árbitro iria de dificultar o mais possível, mas sentia a equipa. Era jovem, mas conhecia alguns jogadores, lidava com eles, nomeadamente com o Pedroto, e iam conscientes. Estar consciente das armadilhas fez com que o FC Porto vencesse."