Empurrões, polícia e vermelho a Corona: a confusão que se instalou no clássico

Empurrões, polícia e vermelho a Corona: a confusão que se instalou no clássico

Mexicano foi a única "vítima" do momento mais quente do jogo, em que os jogadores e elementos do banco se envolveram a meio-campo, e falha a final da Taça.

Corona está fora da final da Taça de Portugal (ainda que o FC Porto possa recorrer da decisão), dentro de uma semana, contra o Sporting, depois de ter sido expulso naquele que foi o momento mais acalorado do clássico de ontem. O vermelho ao mexicano foi exibido depois de uma enorme confusão junto à linha lateral, na sequência de uma falta de Herrera sobre Acuña, que entretanto recebeu um "chega para lá" de Tecatito. Petrovic não gostou, correu na direção daquela zona para confrontar o extremo portista, que acabou amarelado e a queixar-se do rosto pela ação do sérvio.

Os dois bancos saltaram de imediato para o relvado e por entre agarrões e empurrões foi possível ver Sérgio Conceição a tentar travar Renan, em primeira instância, apontando para o vermelho exibido por Veríssimo, e o guarda-redes a acabar no chão a queixar-se de um toque do treinador. Vaná trocou palavras com o homólogo, Beto (team manager dos leões) discutiu com Pepe e os ânimos só serenaram com a intervenção da polícia, que separou os elementos de ambas as equipas. Do momento resultou ainda um amarelo para Petrovic e para Acuña.

Conceição foi confrontado com o sucedido no final do encontro e revelou o estado de espírito de Corona no balneário. "Não vi nenhuma agressão. É negativo. Tenho ali um jogador completamente destroçado", garantiu, antes de contar a explicação que Fábio Veríssimo lhe havia dado para expulsar Tecatito. "Disse que teve intenção. Mas num jogo de futebol, com estas emoções, muitos jogadores tiveram intenção. Mas foi o Corona que foi expulso", lamentou o treinador do FC Porto, enquanto que Keizer optou por não se alongar sobre o tema. "Às vezes acontece, mas não é normal no futebol. A emoção no futebol às vezes é muito forte", concluiu.