"E-Toupeira vai a julgamento com o banco dos réus desfalcado", atira o FC Porto

"E-Toupeira vai a julgamento com o banco dos réus desfalcado", atira o FC Porto

Clube azul e branco reagiu à decisão do Tribunal da Relação, que deixa a SAD do Benfica de fora do julgamento do processo.

O FC Porto reagiu esta quarta-feira, através de comunicado, à decisão do Tribunal da Relação de Lisboa em deixar a SAD do Benfica de fora do julgamento do processo E-Toupeira.

"A FC Porto SAD constata que o processo E-Toupeira vai chegar a julgamento com o banco dos réus desfalcado do elemento a quem aproveitou o crime, no plano desportivo", assinalam os dragões, que apontam uma "guerra" entre o Ministério Público e a Magistratura como a razão que originou a decisão:

"Esta constatação deriva de interpretações divergentes não sobre os factos reais mas sim sobre a natureza e grandeza das provas que tornassem inequívocas as relações entre mandados e mandantes, sendo certo que partilhavam o mesmo corredor no Estádio da Luz. Lidas as peças processuais resultantes da investigação, da decisão da juíza de Instrução e, agora, dos juízes do Tribunal da Relação, torna-se evidente que a SL Benfica Futebol SAD não foi pronunciada em consequência de uma 'guerra' entre o Ministério Público e a Magistratura", acrescenta o FC Porto, que ainda espera ver "a verdade desportiva a triunfar".

Leia o comunicado na íntegra:

"A FC Porto Futebol SAD constata que o processo E-Toupeira vai chegar a julgamento com o banco dos réus desfalcado do elemento a quem aproveitou o crime, no plano desportivo.

Esta constatação deriva de interpretações divergentes não sobre os factos reais mas sim sobre a natureza e grandeza das provas que tornassem inequívocas as relações entre mandados e mandantes, sendo certo que partilhavam o mesmo corredor no Estádio da Luz.

Lidas as peças processuais resultantes da investigação, da decisão da juíza de Instrução e, agora, dos juízes do Tribunal da Relação, torna-se evidente que a SL Benfica Futebol SAD não foi pronunciada em consequência de uma "guerra" entre o Ministério Público e a Magistratura.

Apesar de tudo, continuamos a acreditar que será possível que a verdade desportiva venha a triunfar."