Brahimi deixa Sérgio em situação inédita: o que pode falhar o argelino

Brahimi deixa Sérgio em situação inédita: o que pode falhar o argelino
António M. Soares

Tópicos

Extremo lesionou-se na visita à Roma e é mais uma baixa para o treinador do FC Porto.

Brahimi é baixa certa para a receção ao V. Setúbal, mas corre o risco de também não ser opção para a visita a Tondela que se segue no calendário dos portistas. O argelino foi reavaliado na quarta-feira e viu confirmada a entorse no tornozelo esquerdo, tendo realizado tratamento enquanto os companheiros davam início à preparação do encontro de sábado (20h30) com os sadinos.

O FC Porto chegou ao início da tarde de Roma e o extremo não escondeu a dificuldade para fazer o trajeto até ao autocarro que aguardava a equipa no exterior do aeroporto. Brahimi surgiu pelo seu próprio pé, mas com um chinelo calçado, dado o inchaço bem visível no tornozelo esquerdo. Ainda que se desconheça o grau da entorse (existem três) sofrida é certo que não vai recuperar para o embate com os sadinos. Será a primeira vez que Brahimi falhará um jogo deste campeonato, o que diz tudo sobre a importância que tem no desenho da equipa. A título de exemplo, recorde-se que Danilo teve uma lesão idêntica - entorse do tornozelo direito - no clássico de Alvalade, tendo voltado a competir 14 dias depois, contra o mesmo adversário, mas na final da Taça da Liga.

Sérgio Conceição vai, assim, ser obrigado a mexer de novo no ataque do FC Porto que já estava privado de Aboubakar (desde finais de setembro) e de Marega (sofreu uma rotura muscular na coxa esquerda no início deste mês). Olhando para as opções que tem à disposição, Fernando Andrade e Otávio são os principais candidatos à vaga do internacional argelino. O brasileiro foi titular no Olímpico de Roma, onde atuou sobre a direita, mas agora o treinador portista já poderá contar com Corona para esse lugar.

Esta será a primeira vez desde que assumiu o comando técnico dos dragões que Sérgio Conceição não poderá contar, em simultâneo, com Brahimi, Marega e Aboubakar. Já houve partidas em que nenhum deles foi utilizado, mas por opção do treinador que preferiu gerir a condição física dos jogadores, nomeadamente em jogos da Taça de Portugal. Contra o Vila Real e o Belenenses, por exemplo, o ataque foi preenchido por André Pereira, Soares e Adrián López. Contra os transmontanos, Conceição deixou Brahimi no banco e, frente à equipa do Restelo, juntou Marega ao argelino, mas só recorreu ao maliano no decorrer da partida. Em termos ofensivos, Brahimi (9 golos), Aboubakar (4) e Marega (16) "pesam" um total de 29 dos 86 golos marcados pelo FC Porto nesta época, o correspondente a 33,7 por cento dos golos. Ou seja, um terço do poder de fogo da equipa.