FC Porto quer garantir Eustáquio até julho: eis o ponto da situação

FC Porto quer garantir Eustáquio até julho: eis o ponto da situação
André Morais

Tópicos

Médio do Paços de Ferreira esteve na agenda de janeiro, mas ficou adiado para o verão. Contactos entre as partes foram oficiais e o interesse não cai

Stephen Eustáquio é alvo do FC Porto para 2021/22. O médio do Paços de Ferreira está a fazer uma grande temporada, impressionou os dragões e outros clubes e teve mesmo a possibilidade de se mudar para a Invicta nos últimos dias, antes de o mercado de inverno fechar em Portugal.

Houve contactos oficiais entre as partes, manifestação clara de interesse, mas a transferência não sucedeu. Ainda assim, a ambição portista não esmoreceu. Eustáquio, 24 anos, internacional A pelo Canadá, não cai das opções e a SAD liderada por Pinto da Costa vai tentar assegurá-lo antes de julho, para o integrar logo que a próxima pré-época comece. Há outros clubes na equação (e cada vez são mais), mas os azuis e brancos já se posicionaram e contam com esta primeira investida para jogar a seu favor. Afinal, nesta altura, conhecem perfeitamente o dossiê, as pretensões do Paços de Ferreira e também do Chaves, clube que ainda detém 50% do passe do luso-canadiano. Já lá vamos.

O interesse em Eustáquio acabou por não avançar em janeiro porque o plantel do FC Porto oferece totais garantias a Sérgio Conceição. O reforço da linha média, como das alas, foi sempre uma possibilidade mantida em aberto, até pela densidade competitiva e os imponderáveis da pandemia que, sem avisar, roubam opções aos treinadores de um dia para o outro. De qualquer forma, o FC Porto só conseguiria avançar depois de o Paços de Ferreira ativar a preferência pelo jogador, que estava cedido pelo Cruz Azul, do México. Independentemente do interesse dos portistas, os castores entenderam que Eustáquio seria sempre um bom investimento, a julgar pela quantidade de clubes que o foram procurando, essencialmente de Espanha, mas também de Inglaterra, Itália e até de Portugal. Por cá, no entanto, só um clube grande conseguiria satisfazer as pretensões do jogador, decidido a subir de patamar e com um nível salarial que traz do México que é proibitivo para a maior parte das equipas da I Liga. Obviamente que o interesse dos dragões agilizou a operação do Paços de Ferreira, que pagou cerca de 2,5 milhões de euros ao Cruz Azul, que havia investido 3,5 milhões nos mesmos 50% do passe quando o adquiriu ao Chaves, há dois anos. Impedidos de venderem o jogador na mesma janela em que o compram, os pacenses discutiram com o FC Porto um empréstimo com cláusula de compra obrigatória no final da época. O FC Porto inteirou-se também, junto do Chaves, sobre as condições para reforçar os futuros direitos económicos sobre o jogador. O interesse não teve desfecho imediato, mas ficou balizado. Agora as partes voltarão a falar com tranquilidade, sendo certo que o jogador ficou entusiasmado, que o interesse dos azuis e brancos se mantém e que o perfil do médio é visto de forma muito interessante por Sérgio Conceição, que o vê capaz de jogar no duplo pivô que habitualmente usa no setor. Aliás, a impressão ficou consolidada logo no jogo de outubro, que os campeões nacionais perderam (3-2) no Estádio Capital do Móvel. Stephen fez o segundo golo do Paços.

A avaliação feita em janeiro foi, como os números que descrevemos antecipam, de cinco milhões de euros. E esse será sempre um ponto de partida para um negócio que pode ser avaliado até a um máximo de 7,5 milhões, independentemente do entendimento que for alcançado, até porque o passe é repartido e haverá outras variáveis que as partes podem acordar. Pelo sim pelo não, o Paços de Ferreira blindou-o com uma cláusula de rescisão bem superior, mesmo que não a tenha revelado. Em Chaves, há dois anos, era de 15 milhões de euros...