Herói do FC Porto na Taça de Portugal garante: "Trabalho como um maluco"

Herói do FC Porto na Taça de Portugal garante: "Trabalho como um maluco"

Chancel Mbemba em entrevista à Leopards TV. Fala sobre a dobradinha e a ascensão no plantel do FC Porto.

Esperava ganhar campeonato e Taça?

- Se dissesse que estava à espera, estava a mentir, mas sei que foi a força do trabalho. Trabalho como um maluco. Deus deu-me essa facilidade de conseguir-

Como foi ganhar o campeonato e a Taça?:

- Para mim é muito importante, como congolês. Quando assinei queria ganhar títulos, para mim era importante ganhar o campeonato e a Taça.

Qual foi o jogo de referência e o mais conseguido?

- Para mim, os jogos mais conseguidos, foram os que marquei golos. O 1-0 que nos permitiu reduzir a desvantagem de sete pontos no campeonato e, evidentemente, o jogo da final da Taça de Portugal.

Como é para um defensor marcar neste tipo de jogos?

- É um dom. As pessoas que me conhecem de Kinshasa sabem que tenho essa graça de Deus. Quero aproveitá-la Tenho facilidade em saber como se joga na posição 10, 8 ou 6.

No ano passado jogou oito jogos, este ano 42. Marcou seis golos, como explica a progressão?

- No primeiro ano, o meu desejo não era jogar apenas oito jogos, mas Deus quis que me tivesse lesionado. Apesar disso, continuei a trabalhar para ter a minha oportunidade e o treinador deu-me essa chance. A concorrência era forte. Aproveitei as oportunidades do treinador e, entretanto, a época acabou. Tinha de continuar a esforçar-me para enfrentar a segunda época. Tenho de agradecer. Foi a preparação para a CAN que me permitiu fazer uma boa segunda época.

Depois da lesão de Marcano, jogou muitos jogos, mas quando ele regressou, Conceição tinha uma escolha difícil para fazer. Como viu a concorrência?

- Gosto de ter concorrência. Faz-nos enfrentar todos os obstáculos. Nós temos sempre de continuar a trabalhar e é o treinador que faz as suas escolhas. E quando o treinador faz as suas escolhas, temos de as cumprir. Eu cumpro todas as escolhas do treinador. Quando ele me dá uma oportunidade, agarro-a e não a largo até ao fim. O futuro pertence a Deus, mas o presente é nosso.

Antes da lesão de Marcano, vimo-lo a jogar a defesa direito e esquerdo. Na seleção joga a médio. Qual é realmente a sua posição preferida?

- É uma pergunta difícil. Como todos sabem, a minha posição oficial é defesa central. Agora, tudo depende da visão do treinador e o que ele vê em mim e espera de mim. Se o treinador quiser que eu jogue a extremo para o bem do grupo, onde ele me puser é onde vou jogar. Em qualquer dos casos, darei o meu melhor. Mesmo que não esteja a cem por cento, vou tentar jogar bem.