Graça Freitas, diretora-geral da Saúde, responde aos Super Dragões

Graça Freitas, diretora-geral da Saúde, responde aos Super Dragões
Carlos Gouveia

Tópicos

Graça Freitas, diretora-geral da Saúde, respondeu aos pedidos de esclarecimento dos Super Dragões, que anunciaram a intenção de apoiar no FC Porto esta quarta-feira, em Famalicão

Graça Freitas, diretora-geral da Direção Geral da Saúde, respondeu esta terça-feira aos Super Dragões, um dia depois da claque do FC Porto ter enviado um email dirigido à diretora-geral da DGS, a solicitar "apoio, conselhos e recomendações" para que a claque possa marcar presença em Famalicão sem quebrar qualquer regra de segurança e dando "um exemplo de cidadania".

Na resposta, Graças Freitas - começando por agradecer o "cuidado e a preocupação com a Saúde Pública manifestada pelos Super Dragões" - enumerou as habituais recomendações para minimizar o risco de transmissão. Ou seja, distanciamento físico, higiene das mãos, etiqueta respiratória e utilização da máscara.

A finalizar, a diretora-geral da DGS mostrou-se convicta que "tudo correrá pelo melhor, asssegurando que as competições da 1ª Liga constituirão um exemplo de cidadania, como muito bem refere, e de regresso à 'nova normalidade', com sentido de responsabiliade, na defesa da Saúde Pública""

Recorde-se queFernando Madureira, líder dos SuperDragões, enviou na tarde de segunda-feira um email dirigido a Graças Freitas, diretora-geral de Saúde, a solicitar "apoio, conselhos e recomendações" para que a claque possa marcar presença em Famalicão sem quebrar qualquer regra de segurança e dando "um exemplo de cidadania".

A principal claque do FC Porto pretende apoiar a equipa neste regresso à competição prevendo ter elementos à saída do hotel, no percurso até Famalicão e, depois, no exterior do estádio, onde não poderá haver grupos com mais de 20 pessoas. "Vamos estar espalhados, não pretendemos quebrar qualquer regra de segurança", referiu a O JOGO o líder dos SuperDragões que continua a lutar para que as bancadas voltem a ter público. "Já se pode ir ao cinema, aos shoppings e até vão realizar-se concertos no Campo Pequeno, em Lisboa, onde a situação está menos controlada, e não podemos ir aos estádios", lamenta.

A Polícia de Segurança Pública já anunciou, de resto, que vai dar particular atenção aos espaços de potencial concentração de adeptos, como os centros de estágios, locais de treino e unidade hoteleiras nas quais as equipas ficarão instaladas. E hoje mesmo a PSP do Porto entrou em contacto com Fernando Madureira para perceber em que moldes a claque pretende deslocar-se até Famalicão - será em viaturas particulares e não em autocarro - e como irá ser feito o apoio à equipa de Sérgio Conceição.