Francisco J. Marques acusa RTP de fazer "propaganda benfiquista"

Francisco J. Marques acusa RTP de fazer "propaganda benfiquista"

Em causa uma reportagem da estação em Cabo Verde, onde se encontro Marcelo Rebelo de Sousa.

Uma semana depois de se ter insurgido contra uma pergunta usada no programa "Joker", o FC Porto volta a criticar duramente a RTP. Desta vez devido a uma reportagem feita em Cabo-Verde, país escolhido pelo presidente da república, Marcelo Rebelo de Sousa, a para comemorar o dia de Portugal e das Comunidades.

Francisco J. Marques, diretor de comunicação dos portistas, usou o twitter para, em seis pontos, denunciar o que considerou de "propaganda benfiquista" no canal público.

"1 - No dia 10 de junho, no programa que assinala as comemorações diretamente de Cabo Verde a RTP faz uma visita a uma casa do Benfica, põe um funcionário a dizer "festa bonita, benfiquista, portuguesa e cabo-verdiana". Isto é uma vergonha e alguém tem de parar esta deriva da RTP

2 - O mesmo rapaz diz "quero ouvir viva o Benfica", para depois despir a camisola para entregar ao presidente da casa, confessando ser uma oferta entregue pelo Benfica, o que ilustra que isto foi pensado, até pediram uma camisola ao clube querido.

3 - Foram cinco minutos de propaganda benfiquista que nem no tempo da outra senhora se fazia. A questão é muito simples, vamos continuar de braços cruzados perante esta crescente benfiquização do país? A RTP tem direção? A direção aprova estas coisas?

4 - E a tutela aprova? Se aprova deve ser demitida, se não aprova deve responsabilizar quem tem estas opções inaceitáveis, seja qual for a perspetiva. E os partidos com assento na Assembleia da República vão ser cúmplices disto, porque o clube querido é maior do que o país?

5 - Tudo tem limites e mesmo que mais ninguém queira ver o FC Porto vai dizer que o rei vai nu. A bola fica do lado de quem deve agora falar, com a certeza que este tema não se esgota nesta série de tweets. A falta de vergonha não pode ser infinita

6 - Isto para não falar da publicidade gratuita à Emirates e à Adidas, o que porventura adultera a concorrência".