Fernando Gomes e os objetivos: oitavos da Champions e 90 ME em vendas de jogadores

Fernando Gomes e os objetivos: oitavos da Champions e 90 ME em vendas de jogadores

Fernando Gomes, administrador da SAD do FC Porto, falou sobre os resultados do exercício de 2019/20 e abordou os objetivos para a Champions e para a venda de jogadores.

FC Porto consegue perspetivar impacto da pandemia nas contas deste primeiro semestre?

"Nós vamos apresentar resultados positivos consideráveis no final do primeiro semestre, apesar da pandemia. Mas não nos enganemos. Os resultados positivos que vamos apresentar são porque parte deles deviam estar registados na época anterior e, por questões contabilísticas, tiveram de passar para esta época. É o caso das transações de vendas de passes de jogadores. Vamos ter resultados positivos no final do primeiro semestre, o que nos encaminha para sairmos do fair play financeiro."

Qual foi o prejuízo causado diretamente pela pandemia?

"O valor direto que está registado contabilisticamente, ou seja, menos bilhetes, menos sponsorização, menos quotas... o que resultou aritmeticamente do último exercício anda à volta dos 15 milhões de euros. O valor direto na bilheteira e quotas é de 15 milhões de euros. O que se espera que aconteça este ano é à volta de 29 milhões de euros. Se fizermos o ano inteiro nas mesmas circunstâncias em que estivemos durante a pandemia, significa um prejuízo de 29 milhões de euros."

Objetivos traçados a nível de metas com mais valias de jogadores e objetivos na Liga dos Campeões. O FC Porto tem alguns?

"A nossa perspetiva para a época corrente é chegar aos oitavos de final da Liga dos Campeões, no mínimo. E, simultaneamente, fazer mais valias que andem à volta dos 90 milhões de euros. O que significa isto? Estes dois números estão dependentes um do outro. Se não chegarmos aos oitavos de final, vamos ter menos recursos na Liga Europa e vamos ter de ter mais recursos de transações com jogadores. O nosso objetivo é sair do fair play financeiro e apresentar um resultado à volta dos 30 milhões de euros na época em curso."

Um novo confinamento e estádios fechados o que significaria?

"Prevemos, apesar de tudo, um cenário que estamos a preparar para a época que não inclui público zero. O que estamos a prever é ter até ao final da época 30% da lotação do estádio com espectadores. Ou seja, da situação atual, evoluir para os 30%. Vai depender das condições de desenvolvimento da pandemia em Portugal e os nossos tais 29 ME de prejuízo serão se não houver ninguém nos estádios. Se for zero, sem bilhetes, lugares anuais, camarotes, o prejuízo será de 29 ME. Um valor que diminui tanto quando mais for a possibilidade de ter público nos estádios. Esses 30 ME de ganhos vão estar alinhados: serão menores se não tivermos ninguém no estádio, serão mesmo 30 ME se tivermos 30% da lotação total."