FC Porto: Wendell rompe amarras e explode para o ataque

FC Porto: Wendell rompe amarras e explode para o ataque
Bruno Filipe Monteiro

Tópicos

Condição física e aprendizagem das dinâmicas da equipa, principalmente defensivas, motivaram a demora a entrar na equipa. Golo decisivo com o Paços de Ferreira mereceu uma reação do amigo Kelvin

Mais remates por 90 minutos (0,8), mais dribles (2,3), mais duelos ofensivos disputados (3,8) e ganhos 60%), mais corridas seguidas (3,3) e mais toques na área adversária (1): a amostra ainda é pequena, mas os primeiros tempos de Wendell no FC Porto têm permitido ao brasileiro romper com as amarras que lhe haviam sido colocadas nas últimas duas épocas no Leverkusen.

Como qualquer brasileiro, o lateral-esquerdo tem uma apetência e um gosto natural para atacar e, ao que O JOGO apurou, está feliz por Sérgio Conceição lhe oferecer a possibilidade de o fazer com mais frequência nos dragões. De resto, o resultado dessa "liberdade" foi especialmente visível com o Paços de Ferreira, em que teve várias incursões na área adversária, um disparo de longe defendido pelo guarda-redes e um golo.

Wendell assinalou o momento com uma publicação nas redes sociais e, entre os muitos que lhe deram os parabéns, encontrava-se Kelvin. "Que golaço", elogiou o extremo, autor do histórico golo ao Benfica, aos 90"+2", em 2013, amigo do portista. "Aprendi contigo", ripostou o defesa.

Desde que o nome de Wendell lhe foi colocado em cima da mesa como potencial reforço que Sérgio Conceição conhecia das qualidades ofensivas do jogador. Essas, nunca estiveram em causa. A demora a entrar na equipa deveu-se à necessidade de refinar alguns aspetos que o treinador do FC Porto considera fundamentais, a começar pela condição física, já que o brasileiro somava apenas 36 minutos de utilização pelo Bayer esta época e num jogo pouco exigente (Taça).

Além disso, a aprendizagem das dinâmicas de jogo, principalmente na vertente defensiva, levam tempo e daí a aposta em Zaidu, Marcano e até Manafá em detrimento de Wendell. Daqui em diante, porém, o lugar deverá ser dele na maioria das ocasiões.