FC Porto não quer o reforço Pepê com viagem marcada para Tóquio

FC Porto não quer o reforço Pepê com viagem marcada para Tóquio
Bruno Filipe Monteiro

Tópicos

André Jardine aprecia o ex-Grémio e só não o chamou para o último estágio antes de revelar os 18 finais por causa da lesão. Dragões esperam que o selecionador seja sensível à importância do momento

Será precisamente de hoje a uma semana que o se ficará a conhecer o nome dos 18 convocados do Brasil para os Jogos Olímpicos e o FC Porto conta não ouvir o de Pepê. Depois de vários meses à espera do extremo, O JOGO sabe que não é intenção dos dragões perdê-lo numa fase tão importante para a adaptação ao clube e ao futebol português e, por isso, esperam contar com a sensibilidade do selecionador sub-23 dos canarinhos, André Jardine.

O treinador não esconde que é um apreciador das qualidades do ex-Grémio e já assumiu publicamente em diversas ocasiões que gostaria de o levar para a competição. De resto, ao que o nosso jornal apurou, só não o incluiu no derradeiro estágio da seleção antes do anúncio dos eleitos devido a lesão. Jardine ainda não tomou uma decisão, mas os portistas fazem figas para que esta vá ao encontro ao que desejam, para evitarem ter de recorrer ao poder de veto que a FIFA lhes confere.

O caso de Evanilson é um pouco diferente, porque o avançado já tem um ano de futebol português. Pepê precisa de se adaptar e uma boa pré-época será decisiva. Especialmente com a exigência de Conceição...

O instrumento (poder de veto) já foi utilizado em 2016, com Corona, pelo facto de na altura o FC Porto estar envolvido na luta pelo apuramento para a fase de grupos da Liga dos Campeões. O torneio de futebol dos Jogos Olímpicos, que este ano têm Tóquio como cidade-sede, não é reconhecido pelo organismo que tutela o futebol mundial e os dragões aproveitaram para travar a ida do mexicano. De resto, Tecatito viria a desempenhar um papel fundamental na eliminatória com a Roma, marcando um dos golos da vitória na capital italiana.

"Jogar os Olímpicos deve ser lindo. Infelizmente o FC Porto não me deixou ir [Rio de Janeiro], porque jogávamos uma eliminatória para entrar na Champions", recordou, ontem, o portista, em entrevista ao jornal Medio Tiempo, do México.

Este ano os portistas só têm o primeiro jogo oficial agendado para agosto, mas ficariam sem Pepê durante toda a pré-temporada e, se o Brasil eventualmente chegar à final (7 de agosto), também o arranque do campeonato. Por isso, a vontade de o ceder é nula, ainda que qualquer posição oficial só venha a ser tomada se Jardine decidir oferecer um bilhete para Tóquio ao internacional brasileiro.

Evanilson dependente do número de soluções

A saída de Marega deixou o FC Porto apenas com três opções para o ataque, pelo que uma eventual cedência de Evanilson dependerá muito do número de jogadores que Sérgio Conceição terá para trabalhar. O avançado esteve no último estágio dos sub-23 do Brasil, que terminou anteontem, na Sérvia, mas fez pouco mais de dez minutos num jogo (de dois). Mesmo assim, mantém a expectativa de poder ser chamado por André Jardine.