FC Porto explica o regresso aos treinos das modalidades e as diferenças para o futebol

FC Porto explica o regresso aos treinos das modalidades e as diferenças para o futebol

Andebol, basquetebol e hóquei em patins regressam aos treinos na segunda-feira e o FC Porto explicou todos os cuidados no regresso ao trabalho.

As modalidades do FC Porto vão regressar aos treinos na segunda-feira e o Rui Silva Martins, membro do departamento de saúde dos azuis e brancos, explicou, em declarações à FC Porto TV, como irá decorrer o regresso ao trabalho.

"Inicialmente vamos fazer treinos individuais e, posteriormente, vamos passar a treinos coletivos por grupos pequenos. O treino individual, posso dar o exemplo, terá dois atletas no ginásio ao mesmo tempo e um atleta por meio-campo. Progressivamente, vamos passar para o dobro este número de atletas tanto no ginásio como no pavilhão. Depois, esperamos poder passar deste tipo de treino sem oposição, ainda que com mais atletas, para um treino que já se aproxima muito do jogo. Mas isto, terá de ser gradual e analisado passo a passo", começou por explicar.

Apesar de as três modalidades jogarem no mesmo pavilhão, as regras de segurança têm de ser diferentes e o Dr. Rui Silva Martins explicou o porquê.

"O andebol teve de adaptar a forma de treino individual e vai fazê-lo ao ar livre em pista. O basquetebol e o hóquei vão treinar no Dragão Arena. No basquetebol, o atleta pode usar as mesmas sapatilhas no ginásio e no campo. No hóquei obviamente que não. Estes pormenores têm de ser pensados: quando troca para os patins, onde troca, onde é feita a desinfeção de todo o material, etc. Tudo isto está pensado", garantiu.

O Dr. Rui Silva Martins explicou que o departamento de saúde do FC Porto, liderado pelo Dr. Nelson Puga, reuniu várias vezes para "conseguir documentos normativos e que direcionam para as melhores medidas a tomar neste regresso ao Olival, ao Dragão Arena e a outras instalações" e referiu que, no caso das modalidades, a necessidade de testes não é tão grande.

"Dadas as decisões federativas nas três modalidades de pavilhão, leva a que dentro das medidas tomadas haja uma grande diferença [em relação ao futebol] pela não competição a médio prazo. Não há necessidade de testagem tão regular como a que terá de ser feita no futebol. Todas as outras medidas, a nível de integração, são muito similares. Há outra diferença: estas três modalidades treinam-se em recintos fechados. Portanto, também aqui tivemos de adaptar", finalizou.