FC Porto: arrumação da casa prossegue com Nakajima

FC Porto: arrumação da casa prossegue com Nakajima

Dragões cederam Baró ao Casa Pia e viram-se para o caso do japonês. Portimonense quer novo empréstimo, portistas preferem vender.

O FC Porto arranca para a última semana do mercado de transferências com a casa praticamente arrumada. O dia de ontem trouxe a confirmação do empréstimo de Romário Baró ao Casa Pia, pelo que os azuis e brancos podem agora concentrar esforços na resolução do processo de Nakajima, que na última temporada foi cedido, mais uma vez, ao Portimonense.

O clube algarvio, de resto, já manifestou vontade de o receber novamente nos mesmos moldes, mas os dragões optaram por adiar a decisão até bem perto do fecho do mercado, na esperança de ainda poderem vender o jogador, que completou ontem 28 anos.

A desvalorização registada nas últimas épocas, à boleia do afastamento voluntário da equipa na fase da pandemia e da lesão grave que se seguiu, faz com fique muito complicada a recuperação dos 12 M€ pagos ao Al-Duhail, em 2019, para adquirir 50% dos direitos económicos de Nakajima. Contudo, uma transferência definitiva ajudaria, pelo menos, a baixar um pouco mais a folha salarial do clube.

Com a decisão de não o integrar há muito tomada, o FC Porto permitiu que Nakajima passasse boa parte do defeso no Japão a recuperar de um problema físico. Entretanto, o médio, que tem contrato com o clube até 30 de junho de 2024, ficou de viajar para Portugal, mas informado de que teria de trabalhar à parte, enquanto uma decisão não fosse tomada. O fim da espera está próximo.

João Pedro em fim de contrato

Devolvido pelo Corinthians em julho, altura em que expirou o contrato de empréstimo com o FC Porto, João Pedro poderá ser um caso mais simples de resolver por parte dos azuis e brancos. O lateral-direito entrou no último ano de ligação com o clube, pelo que a rescisão do vínculo é uma opção a considerar no caso de ninguém avançar com uma proposta de compra até 31 de agosto. O Santa Clara chegou a ser associado ao brasileiro, que tem alguns interessados no país de origem, mas por enquanto o futuro ainda é uma incógnita.