"Estoril? Gostava que as duas equipas estivessem na máxima força"

"Estoril? Gostava que as duas equipas estivessem na máxima força"

Sérgio Conceição, treinador do FC Porto, fez a antevisão ao jogo de sábado frente ao Estoril, da 17.ª jornada da Liga Bwin.

Jogo do Estoril: "É um adversário que tem feito um excelente campeonato, vem com os mesmos hábitos do ano passado, em que fez um campeonato e exemplar, subiu. Este ano deu continuidade a isso, na Liga tem três derrotas. É uma equipa muito bem trabalhada, que também não sofre muitos golos e , por isso, espera-nos um jogo difícil na preparação do mesmo, porque não sabemos que equipa entrará. Mas estamos focados em nós, nas nossas dinâmicas para chegar lá e ganhar o jogo."

Intervenção na decisão de não adiar o jogo: "Sou treinador do futebol, não decido nada disso. Quem decide se há ou não jogo é a Liga e, neste caso, a DGS. Agora, temos de respeitar os regulamentos. Houve uma reunião há bem pouco tempo, na qual estava todos os clubes, e o que ficou aprovado foi haver um número mínimo de jogadores, neste caso 13, incluindo um guarda-redes. A partir desse momento, os regulamentos são para respeitar, até porque para a semana não sabemos se somos nós a equipa mais afetada em relação ao adversário que vem jogar connosco. Nós também temos muitas baixas. Se calhar, temos mais baixas do que o Estoril. Temos vários jogadores lesionados, outros na CAN... Estamos aqui para respeitar os regulamentos e é o que vamos fazer. Vamos a jogo, se calhar, também sem o número completo de jogadores que deviam estar no banco. É para verem o tamanho das nossas dificuldades. Temos de viver um pouco com isso. Obviamente que se me perguntar se gostava que as duas equipas estivessem na máxima força, claramente que sim."

Eventual vitória poderá ser desvalorizada [devido ao surto de covid-19 no adversário]? "Não sei. Isso faz parte de quem comenta. Para já, temos de ganhar o jogo. Depois, temos de a justificar. Mas não podemos esquecer a prestação dos Sub-23 do Estoril, que no ano passado ganharam a Liga Revelação e este ano estão bastante bem também. Tive o cuidado de ver um ou outro jogo, até para precaver a entrada de um ou outro elemento na equipa. Pela preparação e a seriedade que metemos na semana de trabalho, as vitórias, quando acontecem, são sempre merecidas."

Pode haver facilitismo depois das duas vitórias frente ao Benfica? "Espero que não. Essa é a minha esperança, até porque o que me demonstraram nos treinos não mudou absolutamente não. Não ganhámos nada. Foram duas vitórias, uma na Taça de Portugal e outra no campeonato, que podem ser importantes no nosso percurso para chegarmos ao fim e conquistarmos esses títulos, como queremos. Como digo sempre, nós festejamos títulos, não festejamos vitórias. Elas fazem parte do percurso para chegarmos ao fim e conquistarmos esses títulos."

Sporting e FC Porto são os favoritos à conquista do título? "As duas equipas que estão na frente acabam por ser mais candidatas, até porque têm mais pontos que as que vêm atrás. Mas ainda estamos a um jogo de acabar a primeira volta e temos toda uma segunda volta para fazer. Estamos a falar de clubes habituados a grande pressão, também a dificuldades... Não excluo o Benfica, de maneira nenhuma. E isto não é qualquer tipo de bluff, até porque num passado recente sabem o que aconteceu em dois anos diferentes. Nós pudemos provar o que, se calhar, foi pensarmos que as coisas estavam feitas. Não estavam. Há mais uma volta completa e um jogo para fazer e para justificar, em maio, estarmos no lugar que queremos estar, que é o primeiro."