Dragão interditado por dois jogos: FC Porto recorre do castigo aplicado pelo CD

Dragão interditado por dois jogos: FC Porto recorre do castigo aplicado pelo CD

O recurso nos trâmites normais, que a SAD vai apresentar, não tem efeitos suspensivos, algo que apenas poderá ser alcançado caso o TAD dê deferimento a uma providência cautelar.

O FC Porto vai recorrer para o Tribunal Arbitral do Desporto (TAD) do castigo de dois jogos de intedição do Dragão, aplicado pelo Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol, na sequência da confusão no clássico com o Sporting (2-2), realizado em fevereiro passado.

O recurso nos trâmites normais, que a SAD vai apresentar, não tem efeitos suspensivos, algo que apenas poderá ser alcançado caso o TAD dê deferimento a uma providência cautelar, num mecanismo que a sociedade ainda está a ponderar.

O Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol puniu o FC Porto com dois jogos de interdição do Estádio do Dragão, acrescidos de uma multa de 25 245 euros. Estão em causa os incidentes registados após o apito final da partida com o Sporting, a 11 de fevereiro, e, curiosamente, o reencontro com os leões é mesmo o primeiro a ser afetado por esta decisão.

À luz da regulamentação mais recente, o castigo só se efetiva ao fim de 15 dias úteis, o que significa que a receção ao Marítimo, no primeiro fim de semana de agosto, ainda fica a salvo da punição. O seguinte jogo do FC Porto em casa é, então, o clássico com o Sporting da terceira jornada e, após as deslocações ao Rio Ave e ao Gil Vicente, o campeão nacional só voltará a jogar na condição de visitado na sexta ronda, já no fim de semana de 11 de setembro, frente ao Chaves.

O Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol condenou também o coordenador de segurança da SAD do FC Porto, João Paulo Sousa, a pagar uma coima de 1.530 euros, ao passo que o diretor de campo e o diretor de segurança, Ricardo Carvalho e Carlos Carvalho, respetivamente, receberam multas de 918 euros cada um.

Já Manuel Silva (colete azul n.º 02), Carlos Elias (n.º 03) e Cláudio Filipe Nova (n.º 05), identificados no documento como "elementos de apoio às ações promocionais da FC Porto SAD", receberam 75 dias de suspensão e 3.060 euros de coima por "agressões".

Alvo de um processo disciplinar nos dias seguintes ao clássico, que foi realizado em 11 de fevereiro e terminou empatado 2-2, Matheus Reis, defesa brasileiro do Sporting, já tinha sido constituído arguido, mas foi considerado absolvido do ilícito de agressão.

Estes castigos foram divulgados após a instauração de um processo de inquérito aos incidentes verificados na receção dos dragões aos leões, tais como o arremesso de objetos de apanha-bolas e de objeto metálico, em forma de projétil, ou o comportamento de assistentes de recinto desportivo e elementos da equipa de ativações publicitárias.