"Disseram-me: 'Se olhares para o Maiorca, é como um Honda. O FC Porto é um Ferrari'"

"Disseram-me: 'Se olhares para o Maiorca, é como um Honda. O FC Porto é um Ferrari'"
Bruno Filipe Monteiro

Tópicos

Johan Gómez, extremo da equipa B do FC Porto, recorda o processo que o levou a assinar pelos dragões.

Foi em 2019/20 que Johan Gómez chegou ao FC Porto. O extremo começou pela equipa de sub-19 e, na presente temporada, já se estreou pela equipa B... e logo a marcar. Foi titular na vitória sobre o Vizela, por 4-1, e fez o gosto ao pé.

Em entrevista no podcast "Keeping it Simple", Gómez recordou o processo da mudança para Portugal, ele que representava o FC Dallas, dos Estados Unidos (país onde nasceu) e revelou um argumento curioso e decisivo para a tomada de decisão.

"Não vou mentir. Não sei se conseguiria saltar do FC Dallas para o FC Porto, porque era um salto bem grande. Inicialmente estive em testes em clubes da Bundesliga, até já tinha a entrada na universidade como a minha segunda opção, quando eles [FC Porto] surgiram do nada a demonstrar interesse em mim e a dizer que me queriam ver. Então eu fui e num espaço de dias eles queriam contratar-me, o que, honestamente, foi incrível. Acho que nunca houve um ponto em que pensasse: sim, sou bom o suficiente para ir jogar para o FC Porto. Acho que foi uma questão de momento", começou por referir o norte-americano, de 19 anos, explicando que tinha outros emblemas interessados:

"Estive com o Estugarda, Friburgo, Nuremberga... E estava para ir ao Maiorca, que me oferecia um contrato sem sequer me ter visto, eu ia visitar o clube para ver. Mas as pessoas do FC Porto levaram-me ao escritório deles - conto a toda a gente esta história porque acho engraçada - e eles não me fizeram um ultimato, mas basicamente foi assim: 'Se olhares para o Maiorca, são como um Honda. O FC Porto é como um Ferrari. Qual é que tu queres conduzir?' Depois disso, acho que ficas sem resposta. Por isso, pensei para mim: 'Vou ficar aqui', rematou Gómez.